10 remédios que você não deve dar para crianças

Todo cuidado é pouco com remédios para crianças!

Consulte sempre o médico antes de dar um remédio pela primeira vez para o seu filho. Os bebês, em especial, são bem mais suscetíveis do que os adultos a reações adversas a medicamentos. Se o bebê vomitar ou ficar com marcas, manchas ou bolinhas avermelhadas na pele após tomar algum remédio, avise o médico o quanto antes.

Aspirina

Nunca dê aspirina ou qualquer outro remédio que seja combinado com aspirina, mesmo que seja chamado de infantil (sempre leia as bulas para verificar a fórmula; aspirina aparece com o nome de ácido acetilsalicílico).

Aspirinas podem levar à Síndrome de Reye, uma doença rara, porém bastante grave, que atinge o cérebro e o fígado.

Além da aspirina, outros remédios conhecidos que contêm ácido acetilsalicílico na fórmula são AAS, Bufferin e Melhoral.

Antirresfriado, antigripal e descongestionante

Diferentes órgãos de saúde nacionais e internacionais alertam os pais para não darem remédios para gripe ou resfriado a seus filhos. Só use descongestionantes e xaropes sob orientação médica, já que, em vez de fazerem bem, eles podem acabar fazendo mal.

Entre os efeitos colaterais de remédios errados para crianças estão apatia, falta total de sono, problemas intestinais, bolinhas avermelhadas na pele, aumento do ritmo cardíaco e até convulsões.

Tente soluções caseiras para tentar aliviar os sintomas, como elevar o colchão do bebê para ele respirar melhor, colocar um umidificador/vaporizador no quartinho, além de dar bastante líquido ao longo de todo o dia.

Remédio para diarreia

Medicamentos para conter diarreia não são indicados para crianças de qualquer idade, não só pela toxicidade que podem apresentar, mas também pela possibilidade de piorar gravemente uma infecção bacteriana, podendo levar até a infecções generalizadas.

Em casos de diarreia aguda, o mais urgente é manter a hidratação (o médico pode prescrever algum remédio para conter vômitos se também estiverem presentes) e tratar a febre para evitar maior perda de líquido pelo corpo.

Remédio de adulto

É um perigo dar remédio de adulto para crianças, mesmo que em doses muito menores. Se a embalagem e a bula não indicarem que o medicamento é infantil e deve ser administrado de acordo com o peso e a idade do seu filho, não dê de jeito nenhum.

Medicamento de outra criança ou para outro problema

Remédios receitados para outra criança (mesmo que seja um irmãozinho) ou para tratar outro problema podem não funcionar ou até ser perigosos para o bebê. Por mais caro que seja, se tiver que comprar outro, compre. 

Só dê para o seu filho aquilo que foi recomendado pelo médico para ele e para o atual problema dele.

Qualquer coisa fora da validade

Quando perceber que um remédio perdeu a validade, jogue fora, mesmo que seja um simples analgésico. 

Depois que passam do prazo de validade, os medicamentos podem não surtir mais o efeito desejado ou até se tornarem perigosos.

Dose a mais analgésico ou antitérmico

Alguns remédios contêm combinações de substâncias para ajudar a aliviar dor ou baixar a febre, então tenha muito cuidado se for dar uma dose a mais de algum medicamento ou um medicamento diferente em horário próximo, achando que não está dando a mesma coisa. Isso é especialmente comum e perigoso no caso de substâncias como o paracetamol (nome genérico do Tylenol), muitas vezes acrescentado à fórmula de outros remédios.

Doses elevadas de paracetamol são tóxicas ao fígado e podem levar até à morte, por isso todo cuidado é pouco.

Na dúvida sobre a formulação de diferentes remédios, antes de dar para o seu filho, converse primeiro com o médico ou com um farmacêutico.

Fórmula, chá ou remédio natural

Embora produzidos a partir de substâncias naturais, esses medicamentos não deixam de ter elementos químicos que interagem com o organismo do bebê. Podem ter inclusive álcool na formulação, e não são controlados pelos órgãos de vigilância da mesma forma que os remédios comuns.

Lembre de que até chá de ervas pode conter substâncias prejudiciais ao corpo de uma criança, portanto não deve ser dado a menos que indicado pelo médico.

Pastilhas ou comprimidos mastigáveis

Comprimidos mastigáveis ou remédios em pastilha podem acabar presos na garganta de uma criança, então, se for recomendado que você use algum medicamento neste formato, pergunte ao médico se pode dissolvê-lo antes em um pouco de papinha doce (caso seu filho já coma alimentos sólidos) ou fruta amassadinha.

Pomada, creme ou gel com cânfora

Só podem ser utilizados, ainda assim com todo o cuidado e monitoramento para que não sejam ingeridos ou lambidos, em crianças acima de 2 anos. 

Remédios com cânfora na fórmula, como Caladryl ou Vick Vaporoub, podem ser tóxicos para o bebê e levar até a morte em caso de serem engolidos por acidente, mesmo em quantidades minúsculas.

Fonte do Site: brasil.babycenter.com

Anúncios

Devo parar de usar lencinhos se a assadura do bebê piorar?

mãe trocando o bebê

Por mais convenientes que sejam, muitos lencinhos umedecidos contêm substâncias químicas que podem irritar a pele do bebê. Isso, porém, não quer dizer que com certeza causarão problemas de pele. Tudo depende da sensibilidade de cada criança. Além disso, lencinhos em si não provocam assaduras.

As assaduras comuns costumam aparecer em função de muita umidade na região do bumbum (junto com a exposição às fezes e urina) ou quando a pele é muito esfregada na hora da limpeza, seja com lencinhos, fralda de pano ou algodão molhado em água, e acaba se esfolando um pouco. 

Se seu filho tiver alguma reação ou vermelhidão na pele, ou ainda uma assadura que não passa, é melhor sim parar de usar os lencinhos e só limpar o bumbum com algodão levemente molhado na água morna ou direto no chuveiro/chuveirinho. Às vezes você pode também tentar mudar de marca de lencinho para testar se é isso que está causando alguma reação

Só não exagere na limpeza com lencinhos (depois de toda troca de fralda de xixi, por exemplo), porque aí a região do bumbum pode acabar ficando sempre úmida e, consequentemente, mais suscetível a assaduras. Algumas mães secam a pele do bebê com uma fraldinha de pano ou algodão seco depois de passar o lenço umedecido, para tirar o excesso de umidade.

Muita gente também prefere só usar os lencinhos fora de casa e algodão com água no dia a dia.

Febre na criança pequena

Febre sempre deixa os pais preocupados, mas é importante lembrar que ela é um processo comum, que vai se repetir muitas vezes na vida da criança. A febre faz parte da defesa natural do organismo do bebê contra uma infecção.

Criança chorando com mão na boca

Meu filho está com febre. O que fazer?

Tradicionalmente, considera-se febre uma temperatura acima dos 37 graus Celsius ou centígrados, observada num termômetro colocado embaixo do braço. Mas algumas crianças podem ter a temperatura mais alta, de até 37,5 graus, mesmo que não haja nada errado.  Por isso, os médicos consideram febre mesmo temperaturas acima de 37,5 graus (para alguns médicos, pode ser acima de 37,8).  Entre 37 e 37,5 graus, a criança está subfebril, ou com uma febrícula. Veja nossas orientações sobre como tirar a temperatura da criança e que tipo de termômetro usar.

Por que a febre aparece?

A febre, em geral, é uma indicação de que o organismo está combatendo algum tipo de infecção. Os macrófagos, células que patrulham o corpo, estão sempre em alerta. Quando encontram algo estranho como vírus, bactérias ou fungos, eliminam o maior número que conseguem. 

Ao mesmo tempo, pedem ajuda, mandando sinais para o cérebro elevar a temperatura do corpo. Só essa elevação já é capaz de matar alguns tipos de bactéria. O processo também parece acelerar a produção de glóbulos brancos e de substâncias que matam os intrusos. 

Por isso, antes de se apavorar, é preciso lembrar que a elevação da temperatura faz parte do processo natural de combate à infecção. A febre em si não é necessariamente prejudicial. 

Algumas vezes pode não ser tão claro por que seu filho está com febre, mas há alguns motivos mais comuns: 

  • Gripe;
  • Resfriado;
  • Inflamação na garganta;
  • Infecção no ouvido;
  • Infecção urinária;
  • Doenças respiratórias, como pneumonia ou bronquiolite;
  • Vírus que causam “pintinhas” pelo corpo, como catapora;

Como faço para distinguir uma febre sem gravidade de uma mais grave?

Mais importante que a temperatura em si é o comportamento da criança. 

Se ela estiver com febre de até 38,5 graus, mas estiver comendo bem, brincando e tranquila, há menos razão de preocupação que no caso de uma criança com febre de 37,8 graus junto com choro inconsolável ou prostração.

Procure o médico se a febre estiver acima de 39,5 graus, ou se a criança estiver agindo estranho, muito abatida. Não deixe de mencionar qualquer outro sintoma para o pediatra, para que ele tenha mais dados para fazer um diagnóstico. 

Fique de olho nos seguintes sintomas, que podem indicar algo mais grave:

  • A criança apresenta manchinhas vermelhas na pele, que não clareiam quando você as aperta, ou se tem¬ manchas vermelhas grandes. Esses são sinais de uma infecção bacteriana grave.
  • A criança tem dificuldade para respirar, ou está ofegante. Pode ser pneumonia.

Lembre-se: A temperatura do corpo costuma aumentar no início da noite, em geral. Por isso é esperado que a febre piore um pouco nesses horários.

Para bebês de menos de 3 meses, as orientações são diferentes.

Caso você consiga baixar a temperatura de seu filho de 1 a 3 anos com antitérmicos (como paracetamol, ibuprofeno ou dipirona), e ele não esteja muito abatido, você pode esperar pelo menos 24 horas para levá-lo ao médico. 

Antes disso, é provável que o especialista não consiga fazer nenhum diagnóstico, e peça para você apenas observar o seu filho.

Evite levar a criança sem necessidade ao pronto-socorro, para não expô-la a outros vírus e bactérias num momento em que o organismo dela já está um pouco fragilizado.

Mas confie nos seus instintos e procure atendimento imediato se sentir que se trata de alguma doença mais grave.

Preciso baixar a febre a qualquer custo?

Você só precisa baixar a febre do seu filho se ele estiver se sentindo desconfortável demais (chorando o tempo todo, reclamando, vomitando). Ou se ele já tiver tido uma convulsão febril alguma vez (leia abaixo sobre as convulsões).

Por um lado, o aumento da temperatura ajuda a combater os microorganismos que possam estar causando a infecção. Por outro, se a criança estiver se sentindo muito mal por causa da febre, vai ter dificuldade para beber e comer, e isso pode atrapalhar sua recuperação. 

Nunca dê aspirina a crianças de menos de 16 anos, porque o ácido acetilsalicílico já foi ligado a uma síndrome rara, que pode ser fatal, a síndrome de Reye. Além disso, esse tipo de medicamento pode causar problemas estomacais e hemorragias, porque afeta a coagulação do sangue. 

Durante a febre, mantenha seu filho vestido com as roupas adequadas para a temperatura ambiente, nem agasalhado demais nem de menos. Capriche na ingestão de líquidos. Uma criança com febre pode ficar desidratada só pela transpiração, mesmo que não esteja com diarreia ou vômitos. Quando a criança está desidratada, o uso de antitérmicos é menos eficaz e pode ser até mais tóxico. 

Além disso, bem hidratada, ela reage melhor às doenças. Portanto abuse dos líquidos. Você também pode dar um banho morno. Se tiver dado um antitérmico, pode dar o banho cerca de 40 minutos depois. Mas o banho não é imprescindível só dê se você achar que seu filho vai se sentir melhor. 

É melhor baixar a temperatura aos poucos que muito rápido. O banho precisa ser confortável para a criança, e nunca use álcool, nem no banho nem em compressas (como se fazia antigamente). 

O que é a convulsão febril?

Quando a temperatura da criança sobe muito rápido, pode acontecer de ela ter uma convulsão. Fica pálida, os músculos ficam rígidos ou ela faz movimentos estranhos, e às vezes perde a consciência. A convulsão febril assusta muito, mas não costuma deixar nenhuma sequela. 

Se por acaso seu filho tiver uma convulsão, você não precisa segurar a língua dele. Ele não vai engoli-la. 

Apenas tire alguma coisa que esteja em sua boca, como chupeta ou alimentos. Não o segure, mas tente mantê-lo com a cabeça de lado, para evitar o risco de ele engasgar com a saliva ou com um possível vômito. 

Um dado que ajuda bastante o médico é saber quanto tempo a convulsão durou. Portanto, se conseguir, olhe no relógio. 

Normalmente essas crises só duram 20 segundos, e é raro passarem de dois minutos. Se quatro minutos passarem e a convulsão não acabar, a criança deve ser levada para o pronto-socorro. 

Se a convulsão tiver passado e a criança estiver agindo normalmente, não é preciso correr para o hospital. 

Caso tenha acesso ao médico por telefone, fale com ele imediatamente e procure orientações. Se não, marque uma consulta ou leve seu filho com calma ao hospital. Podem ser pedidos exames complementares. 

Os episódios de convulsão normalmente acontecem entre os 6 meses e os 6 anos de idade, mas são mais comuns antes dos 2 anos. 

A criança tende a ter convulsão uma vez só (felizmente!), e há indícios de componente familiar: se o pai ou a mãe tiveram convulsão febril quando crianças, a probabilidade de o filho ter é maior. 

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/a3400353/febre-na-crian%C3%A7a-pequena

Estimulando o paladar do bebê

Paladar deve ser estimulado livre dos preconceitos dos pais, se os pais não gostam de determinado alimento o bebê poderá gostar, desde que tenha a chance de conhecer o sabor

Bebê comendo brócolis - foto: Red pepper/ShutterStock.com

ATENÇÃO!
Até o sexto mês de vida o bebê deverá ser alimentado exclusivamente com o leite materno. Ele não precisará de água ou chás. Qualquer mudança nessa regra deverá ser feita com orientação do seu pediatra.

Estimulando o paladar

A boca é importantíssima para o bebê porque é por ela que a criança satisfaz sua necessidade básica mais forte: a fome. Também é com a boca que ele estabelece o melhor contato com a mãe, mamando. A boca é a sua primeira e principal fonte de prazer. E é por onde ele procura tomar conhecimento das coisas, tanto assim que ele leva à boca tudo o que pode pegar. Além disso, é com a boca que ele se comunica, fazendo barulho ao chorar.

O bebê, no começo, só distingue quatro sabores: doce, salgado, amargo e azedo. O paladar é o menos desenvolvido dos sentidos da criança ao nascer, até porque ela não precisa dele, uma vez que a natureza preparou-a para apenas um tipo de alimentação: o leite materno.

Isto quer dizer que o bebê tem muito a aprender pela boca, se você permitir que ele a use. Há mães que vivem tentando impedir o bebê de levar os dedos à boca, ou os objetos que ele consegue segurar. É um erro, primeiro porque estão limitando muitos as experiências da criança e, depois, porque o bebê tem uma fase oral, em que o uso da boca tem muita importância para o seu desenvolvimento psicológico e intelectual. Se sua filha ou filho passa por essa fase reprimido e não usa a boca suficientemente, a fase vai demorar a passar e ele poderá ficar por muito tempo chupando o dedo, preso à chupeta ou com problemas psicológicos.

Bebês precisam de liberdade para usar a boca: faz parte do seu aprendizado, do seu desenvolvimento. O cuidado a tomar é evitar que ele tenha acesso a coisas que não deve mesmo colocar na boca, por serem perigosas de engolir ou porque estejam sujas. Mas não reprima o bebê além da conta, porque a boca é seu primeiro contato com o mundo, sua primeira comunicação, sua primeira escola de vida.

O que é o gosto?
É uma sensação bem mais complexa que um simples sabor na boca, da qual participam todos os sentidos. O odor, a aparência, a consistência, o volume e a temperatura de um alimento são também elementos que contribuem para a formação de uma percepção gustativa global. O gosto de uma laranja não se resume aquela sensação doce-azeda na língua. O que dá água na boca é também o perfume característico, a textura da polpa e até a cor tão apetitosa.

Não use mamadeira. A má higiene da mamadeira é a principal responsável pela maior parte das doenças diarreicas em crianças pequenas. Além disso, a criança precisa começar a desenvolver o paladar, e misturar alimentos, oferecendo-os na mamadeira, não dá essa oportunidade. Permita que ele reconheça os sabores de diferentes alimentos, salgados e doces, e que use a boca. Observe e anote para conhecer suas preferências e para respeitar as suas rejeições.

Ao estimular seu paladar, leve-o a reconhecer os alimentos sem vê-los, pelo sabor e pelo cheiro. Isso ajuda muito o desenvolvimento intelectual da criança. E procure não transmitir preconceitos pessoais ou culturais ligados ao paladar. Na educação do paladar, como em todas as outras, o melhor estímulo é a riqueza de experiências sem preconceito: deixe o bebê experimentar de tudo, mesmo do azedo e do amargo, porque ele pode gostar e ter mais possibilidades de satisfação alimentar.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/estimulando-o-paladar/ 

Qual é o melhor jeito de saber se o bebê está com frio ou calor?

Resultado de imagem para bebe com frio ou calor

Os bebês não sentem muito mais frio ou calor do que as crianças maiores ou os adultos. Como dica prática, procure vestir seu filho com uma camada de roupa a mais em relação àquela que estiver usando. Por exemplo, se você estiver de camiseta de manga curta, coloque nele uma de manga comprida; se estiver de manga comprida, acrescente então um casaco.

Sentir a temperatura no tronco (barriga, peito e costas) e na cabeça da criança é o jeito mais adequado de perceber se ela está com frio, e não através do toque nas mãos e pezinhos. As extremidades são quase sempre mais frias que o resto do corpo.

É muito mais comum bebês serem superagasalhados e ficarem irritados com o calor, do que se mostrarem incomodados por estarem passando frio. Dá para perceber se uma criança está acalorada porque ela vai suar e até ter aumento da temperatura corporal (você pode medir com um termômetro). Se a pele do seu filho estiver úmida, ele está suando, portanto está com calor.

Se você mora numa região quente, saiba que o calor pode atrapalhar o sono do seu filho.

Por outro lado, bebês com frio podem apresentar tremor, certa palidez e até apatia. Ao contrário do que diz a sabedoria popular, soluços não são um bom parâmetro para medir frio, porque são comuns de ocorrer nesta fase em que o diafragma ainda é imaturo.

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/x5000028/qual-%C3%A9-o-melhor-jeito-de-saber-se-o-beb%C3%AA-est%C3%A1-com-frio-ou-calor

É verdade que bebê menina dorme melhor que bebê menino?

Resultado de imagem para bebe dormindo

Não, não é verdade que bebês do sexo masculino não durmam tão bem quanto as menininhas. Não existem estudos que comprovem que um dos sexos durma melhor que o outro. E não é por falta de pesquisa. 

Muitos cientistas já analisaram os padrões de sono de bebês meninos e bebês meninas incluindo a duração do sono, mudanças no ritmo e padrão de sono, e até a comparação entre hábitos de sono e estatura. Mas nenhuma das pesquisas indicou que um sexo durma melhor que o outro. 

É possível que você conheça vários casos de pessoas que juram que a filha dorme muito melhor que o filho, e tenha chegado à conclusão de que é uma regra geral, que meninas são mais calmas e portanto dormem mais. 

O que acontece é que crianças são sempre diferentes entre si, mesmo dentro da mesma casa e com os mesmos hábitos. Como os pais não têm muito termo de comparação, acabam generalizando e criando esse tipo de mito ao longo das gerações. 

Tanto faz se você tem menino ou menina. Se você está com dificuldade de fazer seu filho dormir bem, dê uma olhada na nossa seção sobre o sono do bebê. Temos muita informação, mas talvez você queira começar com os erros que todos nós cometemos na hora de colocar a criança para dormir, ou com a tabela que indica de quanto tempo de sono seu filho precisa por dia. 

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/x5400037/%C3%A9-verdade-que-beb%C3%AA-menina-dorme-melhor-que-beb%C3%AA-menino

Quando é que meu filho estará pronto para tomar banho de pé?

Criança tomando banho de pé

A transição da banheira portátil ou bacia para o banho em pé na verdade depende muito da habilidade de cada criança em conseguir se equilibrar relativamente bem, mesmo com a presença de um adulto por perto para ajudar. Considere que seu filho vai precisar ficar firme de pé por alguns minutos, além de ser ligeiramente balançado enquanto você lava e enxágua.

Outros fatores novos são a pressão da água do chuveiro caindo na pele do seu filho e o barulho que às vezes parece alto e incomoda.

Lembre também que as crianças pequenas tendem a gostar mais de ficar sentadas e brincando na banheira do que sendo simplesmente lavadas enquanto estão de pé. Ou seja, a transição pode não ser muito bem-vinda. Por outro lado, dependendo do temperamento, pode ser difícil evitar que uma criança agitada fique brincando de “patinação” no banho, o que aumenta muito o risco de uma queda.

Para quem tem box de chuveiro, um jeito intermediário de dar um bom banho e, ao mesmo tempo, não acabar de vez com o prazer do seu filho é deixar a banheira portátil (ou uma bacia) de lado dentro do box, já com a água do chuveiro ligada. Aí você primeiro dá o banho com seu filho de pé e depois enche a banheira ou bacia para ele passar uns minutinhos se divertindo com alguns brinquedos.

Você vai precisar comprar um tapetinho de banho para que ele não escorregue, ou então usar adesivos antiderrapantes colados no chão do box. Mesmo assim, escorregões podem acontecer mesmo que você esteja segurando com toda a atenção do mundo.

Você pode até se perguntar: por que então não dar o banho com a criança de pé já dentro da bacia, ou da banheirinha? É que o piso de plástico costuma ser ainda mais escorregadio.

Uma terceira opção é usar uma piscininha inflável, daquelas redondinhas, dentro do box. Esse tipo de piscininha costuma ter o piso um pouco menos liso.

Quanto à parte prática, para dar o banho em pé, ligue o chuveiro e deixe a água chegar à temperatura certa sem a criança lá dentro. Quando a água estiver boa (use seu antebraço para avaliar), ponha seu filho dentro do chuveiro (sem você, se puder) e segure-o pelos bracinhos, para que ele sinta segurança. Uma vez que ele esteja confortável, você pode segurá-lo com uma mão e começar a lavá-lo com a outra.

Para quem tem banheira grande, dá para deixar a criança tomar banho direto lá, mas é preciso tomar muito cuidado para não deixar a água ficar muito alta. A água nunca deve ficar acima da altura da cintura da criança sentada, pelo menos até por volta dos 5 anos.

Se houver chuveiro em cima da banheira, use os mesmos procedimentos acima, colocando a banheirinha, bacia ou piscininha dentro da banheira grande.

Existem à venda assentos que “seguram” crianças pequenas em banheiras grandes, mas é preciso tomar cuidado porque eles podem dar uma falsa sensação de segurança. Mesmo se seu filho estiver aparentemente preso por um desses anéis, não o deixe sozinho no banho.

Faça tudo sem pressa e não desanime se, nas primeiras vezes, não der para lavar muito bem. Neste momento, o que importa é acostumar seu filho a ficar em pé durante o banho e a gostar da água caindo no corpo, e do barulho do chuveiro ligado. Não exagere na pressão da água e procure evitar que caia diretamente no rosto.

Muitas mães acabam preferindo tomar banho junto com a criança, mas a operação pode ser meio complicada, já que na hora de sair você tem de se enxugar e enxugar seu filho. Vá testando o método que funciona melhor para sua família.

Se ele não gostar do novo jeito de tomar banho, também não tem problema voltar à banheira de bebê por um tempo, até que ele esteja pronto para uma nova tentativa.

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/x25009193/quando-%C3%A9-que-meu-filho-estar%C3%A1-pronto-para-tomar-banho-de-p%C3%A9 

Transtorno Bipolar em crianças: sete fatores que ajudam a identificar

Médico neuropediatra e psicopedagoga ensinam que o Transtorno Bipolar ocorre em crianças e contam como os pais podem identificar sintomas

Diferente do TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), que pode atingir de 6 a 10 por cento da população infanto-juvenil, o Transtorno Bipolar atinge 0,8 a 1 por cento das crianças, e já pode ser identificado desde cedo, ao contrário do que muitos acreditam.

O neuropediatara Clay Brites, um dos fundadores do Instituto NeuroSaber, explica que de 5 a 15 por cento das crianças com um transtorno tendem a apresentar o outro associado, mas mesmo assim existe uma importante diferença entre os dois. Esse transtorno leva a imensos prejuízos no relacionamento social e na evolução afetiva na infância, e seus sintomas já podem ser identificados antes dos 5 anos de idade.  

Os especialistas alertam que quanto mais cedo o transtorno for identificado, melhor será o desenvolvimento na adolescência. Segundo um estudo publicado pela Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente (AACAP), crianças pré-adolescentes com Transtorno Bipolar apresentam uma maior dificuldade de atenção, concentração, memória e aprendizagem. “Isso mostra que os indivíduos que não são diagnosticados na infância apresentarão problemas de oscilação de humor e prejuízos na capacidade de aprendizagem mais tarde durante a vida”.

criança com Transtorno Bipolar - Foto: isakarakus / pixabay.com

A psicopedagoga Luciana Brites, especialista em Educação Especial e também fundadora do NeuroSaber, conta que existem pelo menos sete fatores que podem ser analisados pelos pais como primeiro passo para o diagnóstico. “É conhecendo mais sobre o assunto que nós conseguimos gerar consciência nas famílias”, resume Luciana. 

  1. Oscilação de humor

O primeiro ponto a ser analisado, segundo o Dr. Clay Brites, é o sintoma chave do Transtorno Bipolar: a mudança repentina de humor. A criança com Transtorno Bipolar muda de semblante de uma hora para a outra, e deixa de ser carinhosa para ficar repentinamente isolada do convívio de um dia para o outro, por exemplo”, explica. 

  1. Histórico familiar

Luciana Brites conta que o histórico familiar pode ser um fator em 80% dos casos de Transtorno Bipolar. “Muitos pais fazem pouco caso e acabam repetindo que a criança puxou o avô ou o tio, por exemplo, como se isso não fosse importante”, alerta a especialista. “Muitas vezes, pode ser que o tio ou o avô tivessem mesmo o transtorno e nunca foram diagnosticados”. 

  1. Ambiente difícil

Segundo Dr. Clay Brites, uma predisposição genética pode ser agravada por um ambiente familiar muito rígido, difícil ou de pouca afetividade. “O ambiente menos acolhedor pode atrapalhar ainda mais o problema e promover crises ainda mais intensas”, resume. 

  1. Hiperatividade cíclica

Ao contrário da criança com TDAH, que está sempre agitada, a hiperatividade em uma criança com Transtorno Bipolar é cíclica e se alterna com um comportamento mais calmo em momentos alternados. “É preciso estar atento a essa alteração de comportamento, especialmente se ela for abrupta”, alerta a psicopedagoga Luciana Brites. 

  1. Hiperssexualidade precoce

Segundo o neuropediatra, crianças bipolares costumam apresentar uma sexualidade precoce. “Geralmente, meninos e meninas com esse distúrbio podem ter insinuações, o desejo de se vestir como adulto com roupas curtas e maquiagem, por exemplo, e até mesmo um desejo sexual diante dos colegas da escola”, exemplifica. 

  1. Comportamento controlador e ciumento

Enquanto que as crianças com TDAH apresentam maior dificuldade de aprendizado em matemática e linguagens desde idades mais jovens, em vez de desenvolverem apenas na pré-adolescência, o Bipolar via de regra não apresenta este problema de início. “É um transtorno mais comportamental, que costuma deixar a criança extremamente ciumenta e controladora em relação às atitudes do dia a dia”, explica Luciana. “E eles apresentam uma irritabilidade independentemente de qualquer tipo de frustração”, explica. 

  1. Falta de sono

Por fim, os especialistas alertam para um detalhe importante e comum nesta fase da vida: a falta de sono. “Muitas pessoas confundem esse comportamento com o TDAH”, conta o médico. No entanto, a psicopedagoga completa que, ao contrário da Hiperatividade, a insônia no Transtorno Bipolar não faz com que a criança apresente sonolência pela manhã. Ela continua sem sono durante o dia. 

Por fim, Luciana e Clay completam que é importante que os pais identifiquem esse comportamento nos filhos e busquem ajuda do profissional correto: um neuropediatra ou psiquiatra infantil. “O tratamento será melhor quanto mais interdisciplinar for a equipe de profissionais”, concluem.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/transtorno-bipolar-em-criancas-sete-fatores-que-ajudam-a-identificar/

Fissuras nos mamilos e dores na amamentação

Laserterapia ajuda mães que sofrem com o problema a não abandonarem o peito

Os problemas de amamentação são frequentes e podem ser um grande desafio para novas mães. De fato, a dor nas mamas, as fissuras (rachaduras) nos mamilos e a mastite são algumas das principais razões pelas quais as mães abandonam a amamentação prematuramente.

Existe um número limitado de tratamentos efetivos para essas condições, e a terapia com laser de baixa potência tem se mostrado muito eficaz para acelerar a cicatrização dos mamilos e aliviar a dor.

Problemas no mamilo são comuns e podem afetar mais da metade das mulheres que amamentam, e apresentam características tipicamente associadas, incluindo, mamilos doloridos, rachados, sangrando e com bolhas.

A cicatrização desses mamilos danificados pode ser difícil por causa do trauma continuamente repetido da sucção do bebê. Além disso, o mamilo danificado é propenso a infecção bacteriana e fúngica, resultando em problemas como ductos mamários obstruídos e mastite.

amamentando com problemas nos seios - Foto: grisguerra / pixabay.com

Um tratamento que está provando ser de grande benefício para a melhora de mamilos dolorosos é a terapia com laser de baixa potência. O laser acelera a cicatrização de feridas e a maioria das mães relatam alívio da dor e melhora na cicatrização após apenas uma sessão. O tratamento também é benéfico na desobstrução dos ductos mamários e no processo de cicatrização de mamas com mastite.

A laserterapia é um tratamento suave e indolor, geralmente aplicado por fisioterapeutas, que usa o laser no reparo tecidual, reduz a inflamação e a dor. Os tratamentos duram apenas alguns minutos e são inteiramente indolores e sem efeitos colaterais conhecidos.

Em um estudo recente, publicado nos Estados Unidos, as mulheres tratadas com o laser de baixa potência apresentaram uma diminuição significativa na intensidade da dor 24 horas após o tratamento e a terapia demonstrou ser eficaz na melhora de lesões em mulheres que amamentam, proporcionando alívio e prolongando a amamentação exclusiva.

Thalita Freitas é fisioterapeuta especialista em Saúde da Mulher pela Faculdade de Medicina da USP, atuante na clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/fissuras-nos-mamilos-e-dores-na-amamentacao/

15 formas divertidas de anunciar a gravidez

Anunciar a gravidez de forma divertida é uma maneira legal de envolver os amigos nesse momento emocionante. Hoje em dia, com as redes sociais, muitos pais acabam aproveitando para divulgar online com fotos.

Quando a Fê engravidou do Bento o anúncio foi feito aqui no blog pela Luisa, lembram? Foi um post super fofo e criativo! Selecionamos 22 formas divertidas de anunciar a gravidez para vocês se inspirarem. Confiram!

anuncio_gravidez_bigsister_chao

anuncio_gravidez_irmao

anuncio_gravidez_bento

anuncio_gravidez_videogame

anuncio_gravidez_allstar

anuncio_gravidezalfinete

anuncio_gravidez_bicicleta

anuncio_gravidez_oculos

anuncio_gravidez_cachorro

anuncio_gravidez_labrador

anuncio_gravidez_telefone2

anuncio_gravidez_placa_irma

anuncio_gravidez_plava_cachorro

anuncio_gravidez_telefone

Resultado de imagem para formas criativas de anunciar gravidez

Fonte do Site: http://chegueiaomundo.com.br/categoria/mamaes-e-papais/page/3/