Mochila pesada pode provocar dores nas crianças

É preciso ficar atento sobre o volume e peso dos itens no dia a dia das crianças para evitar problemas de coluna e dores musculares

Escoliose, hiperlordose, hipercifose, dores musculares e nas articulações, no pescoço e nos ombros são alguns dos problemas mais comuns observados em crianças que carregam muito peso nas mochilas escolares.

Itens como cadernos, canetinhas, lápis de cor, agendas e dicionários são indispensáveis para o uso na educação tanto na escola como em casa e, de acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBTO), o peso ideal das mochilas não pode ultrapassar 10% do peso corporal da criança. Por exemplo, se a criança tem 30 quilos, a mochila deve no máximo pesar cerca de três quilos, exceder este volume pode sobrecarregar a coluna, promover má postura, dores musculares, problemas de locomoção e ou até prejudicar a formação óssea do estudante ao longo dos anos.

mochila pesada pode causas problema nas crianças - Foto: pressfoto / Freepik

Estima-se que cerca de 80% dos estudantes em fase escolar (ensino fundamental e médio) já sentem dores nas costas e ou musculares por variados motivos como, por exemplo, erro postural ao sentar e se manter durante o período de aula e, principalmente, a sobrecarga de peso com materiais escolares, assessórios e itens que podem ser deixados em casa e ou na escola. Lembre-se que o mais importante é avaliar o que, de fato, é essencial para a rotina das crianças e, a partir disso, garantir a saúde delas. Para isso, listei algumas dicas abaixo sobre como não errar na escolha da mochila e algumas alternativas que podem ser adotadas para minimizar problemas futuros.

Uso adequado de mochila

Dicas:

– Hoje existem inúmeros tamanhos, modelos e tipos de mochilas à venda no mercado em geral e a escolha pelo modelo é um desafio e tanto para os pais. Quando a criança já tem idade para decidir, às vezes, deixamos de lado o quesito segurança e optamos pela beleza do item que elas tanto desejam.

– Faixa etária da criança – para cada idade existe um tipo de produto indicado para o seu uso. Crianças na pré-escola e até o ensino fundamental I, por exemplo, podem utilizar mochilas com rodinhas para facilitar a locomoção e poupar as costas dos pequenos e pequenas.

– Origem da mochila – algumas são fabricadas em escala de produção em massa e não passam por órgãos de qualificação que atestem sua segurança (risco de toxidade da tinta, perigo de machucar as crianças com rodinhas, zíper e outros itens de baixa qualidade, por exemplo). Lembre-se: o barato sai caro. Compre em locais que você saiba a procedência e possa sentir segurança.

– Evite o sobrepeso das mochilas com itens desnecessários e ou duplique os materiais que são de uso recorrente em casa como, dicionários, canetinhas, lápis de cor e réguas. Veja com a direção da escola se existe a possibilidade de guardar alguns itens em armários para evitar a ida e vinda de materiais que você tenha em casa.

– Para mochilas de alças, procure por produtos que ofereçam resistência e conforto para os ombros como as acolchoadas, reguláveis e com largura mínima de quatro centímetros, pois as de tiras mais estreitas provocam compressão nos ombros e podem causar dor e restringir a circulação na região.

– Oriente a criança e o jovem para usar a mochila com as duas alças adaptadas no ombro e a mochila no centro das costas, dividindo o peso por igual para manter o centro de gravidade da coluna e diminuir o risco de lesões musculares.

 – Organize os materiais mais pesados no fundo da mochila e certifique-se que os cadernos e livros estão alinhados para evitar “desequilíbrio” e promover escoliose (alteração postural).

– Quando a criança apresentar algum incomodo e ou dor muscular, fique atento e certifique-se de levá-la ao médico pediatra ou especialista para saber a origem do desconforto.

Uso adequado de mochila

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/mochila-pesada-pode-provocar-dores-nas-criancas/

Anúncios

As posições para a gestante dormir

No geral, não há perigo em nenhuma posição. O importante é a gestante buscar a sua preferida e procurar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono

Normalmente, até o quinto mês de gestação, as mulheres não têm dificuldade em achar uma posição confortável para dormir. Com a barriga ainda pequena, até mesmo a posição de bruços é possível, sem nenhum risco de apertar o bebê ou causar desconforto.

O problema começa a aparecer depois do sexto mês de gestação, quando a barriga já está bem grandinha. Nessa fase, o mais indicado é dormir virada para o lado esquerdo, o lado do coração. Isso porque essa posição favorece a circulação sanguínea e, consequentemente, o sangue flui melhor pelo cordão umbilical, enviando mais oxigênio e nutrientes para o bebê.

Conforme a gravidez avança e o bebê cresce, a posição de barriga para cima pode ser muito desconfortável para a gestante. Com o peso do útero, a veia cava fica comprimida causando mal estar e falta de ar. Mas basta mudar de posição e esses sintomas desaparecem.

Resultado de imagem para posição para dormir na gravidez

Dormir virada para o lado direito pode dificultar um pouco a circulação do sangue deixando o bebê mais agitado, mas não oferece nenhum risco, além do desconforto momentâneo. Se a gestante acordar no meio da noite e perceber que está de bruços (de barriga para baixo), apesar do tamanho da barriga, também não há com que se preocupar, pois o bebê está bem protegido dentro do útero.

Uma posição para dormir no final da gravidez

O final da gestação é marcado pelas constantes azias, falta de ar e congestão nasal. Para aliviar esses sintomas e ter uma noite de sono com mais conforto, uma boa dica é dormir ligeiramente sentada, usando muitos travesseiros para elevar a cabeça. Os travesseiros também podem ser um bom aliado para evitar dores nas costas. A dica é colocar um no meio das pernas ao deitar de lado, o que deixa a coluna mais reta. Também vale colocar um no meio da barriga, outro para abraçar. Teste diversos tamanhos e formatos e veja o que melhor se encaixa no seu corpo.

O importante é a gestante buscar a sua posição preferida e tentar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/as-posicoes-para-a-gestante-dormir/

Pequenos espaços GRANDES IDEIAS

comoda-kaike-4-gavetas-avela-0009116-2

As casas, sobrados e apartamentos com metragens reduzidas cresce a cada dia. Os papais modernos se adaptam a esta tendência e escolhem móveis multifuncionais, que atendam as necessidades do casal e que sejam de qualidade. Pensando exatamente nestes aspectos que a TulipaBaby apresenta a Linha Kaike, composta por berço que se transforma em minicama, cômoda, mesa lateral, prateleira e trocador. 

A TulipaBaby resgatou a cultura europeia ao desenvolver o berço da linha Kaike, reduzindo a metragem do móvel de 130 x 70 cm, padrão americano e utilizado no Brasil, para um modelo mais compacto de 120×60 cm. O berço ainda acompanha kit de conversão que transforma o móvel em mini cama, podendo assim ser utilizado pelo pequeno até os 5 anos. Para as mamães que pretendem dar mais autonomia ao filho, basta remover os pés da mini cama que terá um móvel montessoriano.

berco-cama-kaike-avela-0009115-2berco-cama-kaike-avela-0009115-2

A Cômoda da linha Kaike possui o modelo mais compacto com medida reduzidas, inspirada no jeito de viver europeu com espaço menores, por isto a gestante precisa de um móvel funcional, resistente que possa lhe auxiliar no dia a dia. A Cômoda Kaike possui o design que valoriza os veios da madeira com lindo acabamento em espinha de peixe que dá um toque contemporâneo ao design do móvel.

*Baseado na norma de segurança americana, este produto acompanha kit anti-tombamento. 

comoda-kaike-4-gavetas-avela-0009116-2

A Mesa Lateral Kaike possui design moderno e inovador é o resultado da mistura do metal e a madeira, formando um acessório descontraído e único.

mesa-lateral-kaike-avela-0009246-2

A Prateleira Kaike possui design moderno e inovador é o resultado da mistura do metal e a madeira, formando um acessório descontraído e único.

prateleira-kaike-avela-0009244-2

Acesse nosso site e confira mais detalhes

 

Acupuntura sem agulhas ajuda o bebê a se posicionar de forma correta no útero materno

Moxabustão ou apenas Moxa é uma técnica que utiliza apenas calor com os mesmos benefícios das agulhadas

O bebê costuma se posicionar de cabeça para baixo posição cefálica entre as 32ª e 34ª semanas da gestação. Porém, existem casos em que ele não se posiciona corretamente, mantendo-se sentado  posição pélvica, dificultando ou impossibilitando o parto normal, uma preocupação para a gestante e equipe médica. Nesse caso, o que fazer?

Durante muito tempo, se temeu fazer acupuntura em mulheres grávidas por conta das agulhas. Existia um tabu em relação à técnica, gerado pela falta de informação. Hoje a realidade é bem diferente, este tipo de terapia e seus efeitos positivos estão cada vez mais acessíveis ao público, com comprovação científica e clínica em todo o mundo.

Segundo Alessandra Sônego, fisioterapeuta e acupunturista especializada em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP, para ajudar o bebê a virar, a acupuntura dispõe de uma técnica chamada Moxabustão ou apenas Moxa, que segue os mesmos princípios das agulhas, mas não as utiliza.

“Essa técnica não faz uso de agulhas e, sim, de um bastão da erva Artemisia vulgaris, compactada, que é queimada e transfere o calor acima de um ponto específico de acupuntura. A combustão da Artemísia tem a propriedade de aquecer profundamente, estimulando, removendo e desobstruindo os bloqueios e restabelecendo o fluxo saudável, segura para a gestante e para o bebê. Com essa estimulação, ele é encaminhando para a posição cefálica e para um parto normal”, explica.

O tratamento visa resultados rápidos, se realizado de duas a três vezes por semana, em pontos específicos, localizados principalmente nos pés (B67), pernas e na região da cabeça, para potencializar o resultado.

Ainda, segundo a especialista, o bastão da Moxabustão pode ser encontrado facilmente na internet, e infelizmente se for usado de forma incorreta, a terapia pode ter efeitos negativos. “Por exemplo, o bebê pode se mover ainda que o esperado na região pélvica e se manter em uma posição inadequada para o parto normal. Por isso, procure sempre um profissional capacitado para a realização de qualquer técnica ou tratamento de saúde”, defende Alessandra.

Alessandra Sônego é fisioterapeuta e acupunturista da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Especialista em acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pela FACEI (2011).

Site: www.athalifisioterapia.com

Tamanho da barriga mês a mês da gestação

Tem dúvidas sobre o crescimento da barriga mês a mês? Esta matéria é para você gravidinha que não aguenta de ansiedade para ter um “barrigão”

A gravidez é um momento especial para toda mulher. Mesmo quando ela não é planejada, acontece algo mágico e a gente desperta para um mundo que nunca imaginou que conhecia.

Cada dia, cada semana, cada mês, traz consigo um sentimento diferente e uma sensação de que algo bom está por vir. A hora que o bebê nasce é a melhor hora da sua vida.

É impossível se lembrar de um outro amor tão grande quanto esse.

Acompanhe o tamanho da barriga mês a mês:

Primeiro mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana

Tamanho da barriga mês a mês- Mês 1.

Apesar dos sintomas como: atraso da menstruação, dores nos seios, no abdômen e instabilidade do humor, provavelmente você ainda não notará a gravidez. A verdade é que no primeiro mês quase ninguém sabe que está grávida.

Algumas mães tem a sorte de descobrir logo, mas isso é muito raro. A maioria só descobre lá para o segundo mês. Barriga? Não tem.

Segundo mês de gravidez

tamanho da barriga com 8 semanas

Tamanho da barriga com 2 meses.

Bom, é nessa época que a maioria das mamães descobre a gravidez. Porém, pode ser que algumas demorem um pouco mais. Talvez por causa de um ciclo menstrual mais irregular.

Outro sintoma do segundo mês é o sono constante, e junto com as náuseas, a vontade de fazer xixi aumentará, já que a partir deste mês sua bexiga ficará mais comprimida.

Barriga no segundo mês? Ainda não.

Terceiro mês de gravidez

tamanho da barriga com 3 meses

Tamanho da barriga com 3 meses de gravidez.

Os quilinhos a mais já começar a ser notado no terceiro mês de gravidez, também poderá ser observado que as veias do corpo, principalmente nas pernas, barriga e seios, ficarão evidentes. Os enjoos continuam frequentes e a mudança rápida de humor torna-se ainda mas frequente.

Aqui, a barriga começa a endurecer. Nada muito notável, mas a mamãe já começa a sentir modificações no corpo.

Quarto mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana de gestação

Tamanho da barriga com 20 semanas de gravidez.

No quarto mês é quando a barriguinha de grávida provavelmente será notada. Agora os enjoos quase não vão existir, e provavelmente o apetite da gestante aumentará junto com a sua disposição. Em alguns casos, a mulher pode começar a sentir os tímidos movimentos do bebê.

A pontinha da barriga começa a apontar. Já dá para perceber que você está grávida, se a pessoa for observadora. Em compensação, os distraídos podem não perceber ainda.

Quinto mês de gravidez

tamanho da barriga mes a mes de gravidez

Tamanho da barriga com 5 meses de gestação.

No quinto mês de gravidez o bebê não para de mexer, o útero ficará mais largo e poderão vistos mudanças nos cabelos e nas unhas. Geralmente, é neste período que a mulher pode ter sintomas da azia.

Agora não tem mais jeito. Não dá para esconder. A barriga já ganhou forma e está redondinha. Todo mundo já consegue perceber sua gravidez. Aproveite o paparico.

Sexto mês de gravidez

Tamanho da barriga na gravidez 6 meses

Tamanho da barriga de 6 meses de gravidez.

O tamanho e peso na barriga podem incomodar no sexto mês de gestação, essas mudanças poderão provocar  dores nas costas e as estrias nas pernas podem surgir.

A barriga já cresceu mais e está maior do que você poderia imaginar, mas não se iluda. Ela ainda vai crescer e muito.

Sétimo mês de gravidez

Tamanho da barriga 7 meses

Gravidez de 7 meses tamanho da barriga.

É no sétimo mês da gravidez que o corpo dará sinais para preparar o parto. As alterações hormonais estarão em evidência e o cansaço fica cada vez maior.

E o bebê se faz notar. Agora, além da barriga estar bem grande, o bebê se mexe e você consegue perceber os movimentos dele por meio da sua barriga. Ele mexe, sua barriga mexe.

Oitavo mês de gravidez

 Tamanho da barriga com 8 meses de gestacao

Tamanho da barriga aos 8 meses.

No oitavo mês de gravidez as contrações ficarão mais fortes e evidentes. Em algumas situações, a grávida poderá ter dificuldades de respiração, já que o bebê fica hospedado perto dos pulmões.

Parece que a barriga vai estourar? Calma! Ela ainda vai crescer mais um pouquinho. O bebê agora tem menos espaço e os solavancos vão fazer sua barriga se movimentar muito.

Nono mês de gravidez

Tamanho da barriga com 9 meses

Tamanho da barriga de 9 meses de gravidez.

Nos nove meses de gravidez, o bebê já está encaixado na posição do parto. As dores na lombar, na bacia e na púbis serão intensas e a barriga comprometerá ainda mais a bexiga, tornando inevitável as idas constantes ao banheiro. O leite começa e ser produzido, e por isso os seios da gestantes ficarão um pouco mais inchados.

Chegou a hora. A barriga está a ponto de estourar e agora é contar os dias para seu filho estar nos seus braços. Parabéns. Você chegou na reta final.

Crescimento da barriga mês a mês

O útero da mulher cresce pouco a pouco. Na vigésima semana ultrapassa a altura da linha média, indica-se usar o umbigo como parâmetro de medição.  É nessa fase que se começa a perceber o crescimento característica de gestante. Existem casos em que a grávida possa apresentar a barriga a partir das 12 a 15 semanas.

Fonte do Site: https://www.gestacaobebe.com.br/tamanho-da-barriga-mes-a-mes-da-gestacao/

12 Regras de etiqueta para visitar recém-nascido

Veja aqui 12 dicas e descubra o que você deve fazer e o que é preciso evitar antes e durante a visita ao recém nascido

Algumas regras de etiqueta para visitar recém-nascido ou no hospital podem te ajudar a não cometer gafes na visita. No entanto, é sempre aconselhável ter bom senso e se imaginar no lugar da mãe ou pai do bebê.

Quando um bebê nasce, todos que acompanharam a gestação ficam ansiosos para conhecer o bebê e visitar os pais.

Porém, não importa o quanto você for íntimo da família, a visita não pode ser feita de qualquer maneira. Aliás, se você for um parente ou amigo próximo, saberá mais do que ninguém o quanto este é um momento delicado para todos.

12 Regras de etiqueta para visitar recém-nascido

visita recem nascido 7 dias

Na maternidade:

Algumas famílias preferem receber as visitas ao bebê recém-nascido no hospital. Outras, preferem passar esses primeiros dias apenas com os mais íntimos. Para saber o que fazer ao certo, a melhor coisa é perguntar. Se o pai ou a mãe pedirem para que você espere mais algum tempo, não fique chateado. Respeite a decisão e espere por um momento mais adequado.

Ligue antes:

Visitas surpresas com um recém-nascido não são agradáveis. Ligue antes de aparecer e combine com a família o melhor horário.

Não leve crianças:

Não leve crianças para visitar o recém-nascido. Isso porque os pequenos podem fazer muito barulho ou quererem pegar o bebê (e beijá-lo), deixando os pais em desespero e você em uma situação constrangedora.

nao quero receber visitas na maternidade

Não vá se estiver doente:

Como o bebê acaba de nascer, ainda não tem o sistema imunológico completamente desenvolvido, nem tomou todas as vacinas. Por isso, ele fica suscetível à ação de vírus e bactérias. Só vá se estiver muito bem de saúde.

Não fume e não use perfumes:

O olfato do bebê é muito sensível. Sem falar na possibilidade dele ser alérgico. Assim, é recomendável não expor a criança a perfumes em geral. Também não fume antes ou durante a visita.

Reforce a higiene:

Muitas mães de recém-nascidos deixam disponível para as visitas um frasco de álcool gel. Não é frescura e muito menos exagero. Use o produto antes de pegar o bebê; ou, na falta dele, lave bem as mãos.

Seja breve:

Visitar um recém-nascido é sinal de que você se importa com ele e também com seus pais. É um sinal de carinho e amizade. Porém, para demonstrar isso, você não precisa ficar horas. Os pais podem estar querendo um pouco de privacidade para descansar, em vez de ficar fazendo sala e batendo papo. Se eles pedirem para você ficar mais tempo, use sua sensibilidade para perceber se é apenas por educação.

Não peça para a mãe acordar o bebê:

Sono de recém-nascido é sagrado! Por isso, se o bebê estiver dormindo, nem cogite a possibilidade de pedir aos pais que o acordem.

Arregace as mangas:

Se você tem dúvidas sobre o que levar quando for visitar um bebêsaiba que às vezes arregaçar as mangas pode ser o melhor presente. Se você tiver intimidade com a família, se ofereça para ajudar em alguma tarefa doméstica.

Lavar uma louça, passar a vassoura no chão, estender a roupa que está dentro da máquina ou até mesmo cozinhar algo gostoso para a família, fará toda a diferença neste momento tão especial e delicado.

Não dê conselhos ou palpites:

Pais não precisam de palpites, principalmente, nessas primeiras semanas, quando ainda estão se acostumando com a nova situação. Conselhos inconvenientes podem deixar os pais irritados, inseguros e tristes. Assim, evite ao máximo dar sua opinião, a menos que peçam.

Não tire fotos:

Sim, o bebê é lindo e fofo, e você vai ter muita vontade de tirar uma foto para postar nas suas redes sociais. Mas não faça isso! Só tire fotos e publique na internet se os pais deixarem.

Hora de amamentar é hora de ir embora:

Se perceber que o bebê está reclamando de fome, talvez seja a hora de ir embora. Algumas mulheres se sentem constrangidas e gostam de amamentar o bebê sozinhas, de maneira reservada. No começo, quando muitas ainda não têm prática, elas podem ficar inseguras e se atrapalharem ao oferecer os seios na frente de outras pessoas. Na dúvida, é melhor aproveitar para ir embora ou sair do local.

Como comemorar o primeiro Natal do bebê

O Natal já possui uma atmosfera toda especial, e se este será o primeiro que você e sua família vão passar ao lado do seu bebê, ela fica melhor ainda. É muito bom ver a família aumentando, e uma criança sempre chega para trazer muita alegria.

E, mesmo que o bebê seja pequeno, é possível incluí-lo na magia natalina, fazendo com que ele participe da data.

O bebê pode participar do Natal

Ainda que o bebê não entenda muito bem, ele vai perceber, pela reunião e animação de sua família, que se trata de um dia diferente e especial. Se você tem o costume de colocar meias sobre a lareira para colocar os presentes, acrescente mais uma para o pequeno.

Não deixe de montar a árvore, de enfeitá-la, colocar pisca-piscas e de colocar os presentes do bebê embrulhados embaixo dela.

Sugestões para o presente do bebê

Roupinhas são sempre muito bem-vindas, mas outras opções são ainda brinquedos mais simples como ursinhos de pelúcia, livros de histórias, cds e dvds com músicas infantis – existem até alguns com a temática natalina.

Muitas fotos

Para registrar e eternizar o primeiro Natal com o bebê, não deixe de fazer muitas fotos dele com toda a família. Por fim, coloque todas elas em um álbum exclusivo. Algumas fotografias você pode colocar também no álbum do bebê.

Contrate um Papai Noel

Incentive seu bebê a acreditar na figura mágica do Papai Noel desde cedo. A sugestão é que ele também apareça em sua comemoração. Contrate um profissional para interagir e para distribuir os presentes, as crianças vão adorar. Outra opção é comprar a fantasia completa e pedir para algum homem da família vesti-la e se passar pelo bom velhinho. Mas, não se engane, as crianças são muito espertas! Capriche na produção, cuide dos detalhes, para que elas não desconfiem de nada.

Fonte do Site: https://www.gestacaobebe.com.br/como-comemorar-o-primeiro-natal-do-bebe/

8 armadilhas para evitar na hora de escolher o nome do bebê

Imagem relacionada

Iniciais que causam vergonha, significados comprometedores, popularidade além da conta, sons que ninguém entende.

Esses são alguns dos possíveis problemas que envolvem a escolha de um nome, mas que podem ser evitados pelos pais antes de ir parar de vez nas certidões de nascimento das crianças. 

Nossa intenção aqui não é dificultar ainda mais a já delicada tarefa de decidir o nome do bebê, e sim de ajudar você a descobrir armadilhas que possam provocar constrangimento para seu filho no futuro.

Quer saber como? Veja então como os nomes de sua preferência se encaixam na lista de ciladas. Se os escolhidos não se enquadrarem nos perfis citados, sinal verde para seguir adiante!

Por Evonne Lack

  1. Apelido infeliz

Você provavelmente já viu como fica a combinação do primeiro nome com o sobrenome. Mas não esqueça também de pensar como todos os possíveis apelidos soam ao juntar com o sobrenome.

“O nome que mais gostávamos era Benjamin, só que, o apelido Ben combinado com nosso sobrenome Ito virava Benito, e aí já não gostamos tanto”, conta um futuro papai.

  1. Iniciais que fazem rir

Cecília Carvalho é um nome perfeitamente normal até que você pare para vê-lo abreviado por escrito: C.C. — que faz lembrar algo bem distante da imagem cheirosa e feminina que você tinha na cabeça. O para Sofia Urbano Jatobá Amado, S.U.J.A.

Cuidado com descuidos que possam virar motivo de piada.

  1. Uma vida de correções

“Tenho que admitir…Minha filha Juliah (que se pronuncia Juliá) vai passar a vida toda tendo que corrigir a grafia e o som do próprio nome”, conta uma mamãe.

Se você está pensando em dar um nome que não é muito comum ou que tem uma grafia bem diferente, talvez um bom teste seja postá-lo em nosso grupo de discussão de nomes de bebê e ver como outras pessoas o pronunciam.

Caso várias delas entendam de um jeito completamente diferente do que você planeja, pense bem em como você, seu filho e a família vão lidar com o fato de ter que corrigir meio mundo pelo resto da vida. Se isso não afetar vocês, vá em frente! Agora, se achar meio chato, parta para alternativas mais simples.

  1. Todo mundo igual

Será que justo o nome que você mais ama é amado também por outras milhares de pessoas? Graças à Internet, a resposta para esta dúvida está na ponta dos dedos. Basta colocar o nome em uma ferramenta de buscas qualquer e avaliar os resultados. Outra possibilidade é conferir nosso artigo de nomes da moda no Brasil e ver se aquele do seu coração está entre os mais populares com outros pais e mães.

“Nossa primeira escolha apareceu como o primeiro nome do ranking mais recente”, diz uma mãe. Outra lembra que o nome que pretendia dar à filha foi dado ao bebê de uma atriz famosa, o que geralmente costuma alavancar a popularidade de um nome.

Há pessoas que não se importam com isso, já que estão bem decididas sobre o que gostam. Outras, no entanto, acabam reconsiderando, por temer que o sobrenome dos filhos vire a maneira mais típica de eles serem chamados.

É bom ficar especialmente atento se o sobrenome que você pretende dar for também comum. O fato de existirem várias pessoas chamadas “Gabriel Carvalho” pode causar confusões futuras, até judiciais. Pense na possibilidade de acrescentar um segundo nome ou um segundo sobrenome, para evitar que haja homônimos.

  1. Pares de nomes que dão errado

Se o bebê que ainda não nasceu tem um ou dois irmãozinhos mais velhos, tente o seguinte exercício: diga em voz alta o possível nome do bebê junto com os das outras crianças da casa, como em “Miguel, Felipe, Aline, hora de dormir!”. Se a combinação soar bem, ótimo. Se não, pense um pouquinho mais. Você certamente vai falar os nomes dos seus filhos em conjunto o tempo todo, então é melhor que a dupla ou o trio caia bem aos ouvidos.

Uma mãe que tenha um filho chamado Ciro, por exemplo, pode querer evitar dar o lindo nome Rose para a segunda filha, para fugir de uma combinação que lembre “cirrose”.

  1. Email é coisa séria

Não é muito fácil imaginar agora, mas, um dia, o seu bebezinho será um adulto em um ambiente de trabalho, com um endereço de email. Como é de praxe em muitas empresas, o nome dele poderá ser encurtado ou combinado com o sobrenome para virar o email, algo que pode acabar resultando em uma palavra completamente nova e nada agradável.

Duvida? Então que tal sua princesa Joana Neteli virar joananete@xxx.com.br? Pode acontecer. Tenha em mente que uma regra muito comum para criação de emails e identidades é juntar a primeira letra do nome às seis primeiras letras do sobrenome.

  1. Nomes de má reputação

Já imaginou descobrir que o nome do seu filhinho de 5 anos é o mesmo que o do maior ator pornô da atualidade? Para evitar esse tipo de surpresa, use ferramentas de busca na Internet para explorar o que mais aparece com as opções de nome que você gosta. Digite o nome todo, incluindo variações com apelidos, e veja o que resulta.

Você também não vai querer saber que o nome é o mesmo de um ditador sanguinolento do passado ou de um assassino em série que aterroriza algum país.

  1. Som X significado

Nem todos os nomes têm significados bonitos e simbólicos de tudo aquilo que desejamos para o destino de nossos filhos, por isso esse é um outro assunto que vale a pena ser pesquisado.

“Adorava o nome Arani e achei que teria uma filha chamada assim, mas, quando pesquisei, descobri que em tupi essa palavra quer dizer tempo ruim. Tive que tirar da cabeça na hora”, relata uma mãe.

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/a7000122/8-armadilhas-para-evitar-na-hora-de-escolher-o-nome-do-beb%C3%AA

Atividade ao ar livre: passeio no parque

Tempo necessário: 20 minutos
Idade: Recém-nascido
Objetivo: introduzir o bebê ao mundo fora de casa em um ambiente aberto, sem aglomeração de pessoas e excesso de barulho, estimular a audição e a visão
Material: carrinho, parque ou praça, tempo bom

Como fazer

Escolha um lugar bem tranquilo e arborizado para levar o bebê e não correr risco de ele acabar estimulado demais e só chorar. O ideal é que ele esteja acordado, mesmo que deitadinho, para desfrutar da sensação do vento no rosto, do barulho das folhas nas árvores, de outras crianças brincando ao longe. Se seu carrinho permitir, varie a posição da criança, ora virada para você, ora virada para fora, para que ela possa ver a paisagem.

De tempos em tempos, dê uma parada, aproxime ligeiramente seu rosto e converse com ele para lembrá-lo da sua presença e exercitá-lo em levantar um pouquinho a cabeça. Você pode também levar uma canga ou uma manta, estender no chão e deitar o bebê de barriga para cima.

Chegue perto para que ele a veja. Bebês de até 1 mês só enxergam nitidamente pessoas e objetos a uma distância curta (20 a 30 centímetros).

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/a25005159/atividade-ao-ar-livre-passeio-no-parque

Truques para cuidar da pele do bebê no Verão

Especialistas dão dicas para curtir a estação mais quente do ano com seu bebê sem preocupação

A temporada mais quente do ano está chegando. Nesse período, os pais devem redobrar a atenção com a pele dos pequenos.  “Durante os três primeiros anos de vida, a pele da criança é de 20 a 30% mais fina que as dos adultos, por isso costuma ser mais ressecada, além de ser mais sensível ao calor e a luz do sol, precisando ser constantemente protegida”, comentam as enfermeiras da Criogênesis, Natalia Modica e Luciana Santos. 

Para evitar desconfortos e aproveitar todo o verão sem preocupações, as especialistas separaram algumas dicas. Confira:

Verifique a temperatura e os produtos do banho

É indicado que a água do banho seja morna, e não quente. Além disso, a duração deve ser no máximo 10 minutos. Esses dois fatores já diminuem a perda de água da pele. Outro ponto importante é usar produtos que tenham o pH ligeiramente ácido, assim como é a pele do bebê, garantindo uma limpeza suave e sem ressecamento. Será melhor se o sabonete usado for líquido em vez de barra, pois ele é mais suave e fácil de aplicar.

Atente-se ao protetor solar 

As mães devem evitar a exposição solar direta dos bebês de até seis meses. Para protegê-los, aposte em roupas leves que cubram todo o corpo, chapéus e carrinhos de bebê com tecido que filtre raios UVA e UVB. O filtro solar pode ser utilizado a partir do sexto mês, devendo ser do tipo baby ou mineral.

Controle o suor

A miliária, mais conhecido como brotoeja, é uma erupção cutânea ocasionada pelo suor abundante, que por não chegar a superfície da pele, desencadeia uma inflamação das glândulas sudoríparas causando irritação frequente e coceira. Para tratar, o melhor a fazer é aliviar o desconforto do bebê, principalmente ao refrescar e secar a área afetada, com banhos e roupas frescas. Em caso de dúvidas, procure o pediatra.

Hidrate a pele

A utilização de cremes, loções ou pomadas emolientes, específicas e adequadas à pele frágil e imatura do bebê devem fazer parte dos cuidados e dos hábitos de higiene. Além de proteger a pele contra as agressões externas, esses produtos ajudam a mantê-la saudável e hidratada.

cuidar da pele do bebê no Verão - Foto: hisins30 / pixabay.com

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/truques-para-cuidar-da-pele-do-bebe-no-verao/