Dieta da Placenta

dieta da placenta

A prática é adotada por algumas mulheres que acabaram de ter filhos gera polemica e ao mesmo tempo interesse. Saiba mais sobre a Placentofagia!

O tema ganhou destaque mundial quando a socialite americana Kim Kardashian anunciou que comeria a própria placenta depois de ter o seu segundo filho. Após isso, outras atrizes como Holly Madison, January Jones, Mayim Bialik e a apresentadora Bela Gil fizeram o mesmo. Essas mulheres aderiam, na verdade, à placentofagia, termo dado à pratica de ingerir a placenta, que tem se tornando cada vez mais comum.

A placenta é um agrupamento de casos sanguíneos que une o feto à parede do útero materno, permitindo a passagem de materiais nutritivo e oxigênio para o sangue do feto e a eliminação de resíduos de seu metabolismo. Além disso, ela também desempenha um papel importante na produção de hormônios como progesterona, gonadotrofina coriônica (hCG), hormônio lactogênio placentário e estrogênio.

O habito teria com base a crença de que a placenta concentre, mesmo após o parto, uma grande quantidade de nutrientes e hormônios benéficos para a saúde da mãe. Entre os benefícios estariam: aumento da energia e disposição após o parto, melhora na produção de leite e na aparência da pele, unha e cabelo, e ainda contribuiria para a prevenção da depressão pós parto.

Consumo

O consumo da placenta pode ser feito de diversas formas como em cápsulas, vitaminas, crua, cozida. Porém, empresas especializadas também oferecem em forma de essência, tinturas, cremes e pomadas. As mães  interessadas em fazer esses produtos podem entrar em contato com uma empresa para que suas placentas possam ser manipuladas para poderem ser consumidas ou usadas.

Fonte da Imagem: http://www.birthability.co.uk

Como surgiu

O médico britânico Simeons fez uma pesquisa durante 40 anos descobrindo que o hormônio HCG ajuda na perda de peso com saúde. Porém, recentemente, pesquisadores da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, revisaram 10 estudos publicados entre 1950 e 2014 sobre placentofagia e nenhum deles apresentou evidencias cientificas consistentes sobre os benefícios da prática.

Fonte: Revista Babies – Por Marina Woj

Anúncios

A chegada do bebê ao mundo

Estar bem informada e conhecer o próprio corpo ajuda a diminuir o medo do parto

Como o próprio nome já diz, o parto é uma condição fisiológica e por mais que você tenha medo, seu corpo está naturalmente preparado para essa experiência. Se a gravidez transcorre normalmente quando a mulher começa a entrar em trabalho de parto, seu útero se contrai e a dilatação é boa, é claro que as chances de acontecer algo errado tanto para a mãe como para a criança é mínima. E, em muito pouco tempo, mãe e filho estão juntos.

Existe uma razão fundamental para que se busque durante toda a gestação essa forma de nascimento que seria o relacionamento entre mãe e filho desde o primeiro momento. No parto espontâneo, a mãe ajuda seu filho a nascer, o dois se esforçam juntos. É gratificante para os dois e principalmente para o bebê que, provavelmente, não guardará nenhuma imagem traumática ou sensações desagradáveis deste momento que possa ficar marcado no seu subconsciente. Por isso é indispensável durante a gestação ter uma assistência médica correta que possa corrigir desde o começo qualquer anomalia que surja na gravidez para evitar que o problema a conduza a um parto perigoso.

Mas a natureza nos prega algumas peças. Nem sempre aquela mãe que se preparou durante uma gestação para o parto normal consegue chegar a ele por motivos que fogem ao seu controle e do seu médico. Alguns problemas podem surgir na hora do nascimento e ai entram em cena as conquistas da medicina. Mas infelizmente, algumas mães consideram a cesárea por medo da dor ou em busca de um processo mais rápido e seguro. E com isso, já alguns anos o Brasil continua sendo o campeão mundial de cesáreas. De acordo com dados do Ministério da Saúde, 52% das futuras mamães optam pela cesariana no país, sendo que 82% são realizados na rede privada e 37% na rede pública – claro que alguns desses casos acontecem por ordem médica. Porém, para a surpresa de muitos, a cesárea não é, nunca foi nem nunca será uma opção mais segura do que o parto normal e quando não há indicação médica pode provocar riscos desnecessários tanto à saúde da mulher como do bebê.

O mais adequado é buscar todos os tipos de informações sobre as opções de parto. Converse com outras mães, com seu médico, pesquise sobre parto normal, cesárea e partos sem intervenções médicas para depois poder escolher o que é melhor para você e para o seu bebê. Enfim, abra a mente para todas as opções, conheça-as e respeite-as!

Fonte: Mariana Woj

Fotos: Banco de Imagem

3 Sinais de trabalho de parto

Os principais sinais de trabalho de parto normal acontecem após as 37 semanas de gestação e incluem as contrações uterinas que aumentam de intensidade e frequência e o rompimento da “bolsa da água”.

Os sinais de trabalho de parto prematuro, que podem ocorrer entre as 20 e 37 semanas de gestação começam normalmente com as contrações ritmadas e dolorosas e, neste caso, a mulher deve informar o seu médico e ir imediatamente ao hospital.

3 Sinais de trabalho de parto

As contrações uterinas ritmadas são o sinal mais importante de que o trabalho realmente começou, enquanto o rompimento da bolsa, a perda do rolhão mucoso e a dilatação do colo do útero são sinais de que a gravidez está chegando ao fim, indicando que o trabalho de parto pode começar dentro de algumas horas ou poucos dias.

1. Cólica forte – contrações

Estas contrações são ritmadas e surgem acompanhadas de dor. Inicialmente, surgem em tempos espaçados e vão diminuindo seu intervalo com o passar do tempo, tornando-se cada vez mais dolorosas e intensas. 

Algumas plantas medicinais como a Erva-de-são-cristóvão quando tomadas sob orientação médica podem ajudar a facilitar o trabalho de parto.

2. Rompimento da bolsa

A gestante poderá observar que a bolsa rompeu quando vai ao banheiro e nota a saída de um líquido semelhante a urina, porém mais claro e turvo, que pode conter alguns traços esbranquiçados e que ela não consegue controlar.

3. Perda do rolhão mucoso

Após ir ao banheiro e limpar-se, a grávida poderá observar a presença de uma secreção amarronzada com vestígios de sangue que servia para proteger o colo do útero. A sua perda pode indicar que o trabalho de parto está iniciando nesse exato momento, no entanto ele ainda poderá demorar mais alguns dias para acontecer; 

Além disso, outro indicador de que o bebê vai nascer logo é a dilatação do colo do útero, que aumenta à medida que o trabalho de parto se desenvolve, mas que só pode ser observada pelo obstetra ou parteira através do exame de “toque”.

No caso de primeiro filho, o tempo de trabalho de parto normal varia entre 8 a 24 horas, mas este tempo diminui a cada gravidez.

Estou em trabalho de parto! E agora?

Ao identificar que está em trabalho de parto, deve-se levar em consideração alguns fatores como:

  • Se está marcada a cesária:

Quando a grávida deseja fazer uma cesária, mas entrou em trabalho de parto antes da data prevista para a cirurgia, deverá informar o médico imediatamente enquanto se desloca para o hospital.

  • Se deseja um parto normal:

​​Quando a grávida deseja um parto normal e descobre que entrou em trabalho de parto, deverá ficar calma e ver no relógio de quanto em quanto tempo vêm as contrações.

No início do trabalho de parto a grávida pode continuar fazendo suas atividades diárias. Especialmente quando é o nascimento do primeiro filho, porque neste caso o trabalho de parto leva muitas horas. 

Durante o trabalho de parto a dor deverá ir aumentando aos poucos, mas quanto mais calma e relaxada a mulher estiver, melhor será o andamento do trabalho de parto. Não há necessidade de ir para o hospital logo que sinta a primeira contração porque o trabalho de parto ocorre em 3 fases, que incluem a dilatação, que é a fase mais demorada, fase ativa, que é o nascimento do bebê e a fase da saída da placenta. Saiba mais detalhes sobre cada fase em: Fases do Trabalho de Parto.

Se a bolsa ainda não estiver rompido, o que se pode fazer para aliviar a dor das contrações é tomar um banho morno, entrar numa banheira devidamente limpa ou numa pequena piscina porque a água quente relaxa, favorecendo a dilatação. 

Deve-se ir para o hospital quando as contrações ficam muito fortes e vêm a cada 5 minutos, no entanto é importante ter em conta o trânsito e a distância para o hospital, podendo ser necessário se preparar para sair enquanto as contrações estiverem a cada 15 minutos.

Fonte do Site: https://www.tuasaude.com/sinais-do-trabalho-de-parto/

16 coisas para fazer na semana do parto

1 – Faça e refaça a mala da maternidade quantas vezes tiver vontade.

2 – Tenha um dia de beleza no salão com tudo o que tem direito.

3 – Saia jantar só você e seu marido.

4 – Tome banhos bem demorados.

5 – Reúna as amigas para um café com direito a muitas risadas

6 – Aproveite para dormir o máximo que conseguir.

7 – Converse muito com sua barriga sobre a nova fase que irá começar.

8 – Termine de ler os livros de maternidade que comprou, depois dificilmente terá tempo para isso.

9 – Abasteça o congelador com comida congelada que são rápidas e você consegue fazer sozinha caso precise.

10 – Organize seu guarda-roupa. Separe as roupas que você pode usar para sair, lembrando que elas devem ser fáceis para amamentar e não devem ser apertadas.

11 – Faça o mesmo com a Cômoda do Bebê. Separe as roupas para sair, as menores e os produtos de higiene. Quanto mais prático e organizado melhor.

12 – Faça o um levantamento do vencimento das suas contas e se puder pague antecipado para evitar que vença enquanto estará na maternidade.

13 – Tente focar em outras coisas que não sejam as dores e incômodos da reta final.

14 – Espalhe potinhos de álcool gel pela casa.

15 – Instale o bebê-conforto no carro.

16 –  E por último, faça uma prece agradecendo tudo que passou durante a gestação e peça que dê tudo certo no parto e neste novo ciclo que se inicia.

Fonte: Revista Babies

Os cuidados da atividade física na gestação gemelar

A notícia de uma gravidez gemelar muda não só a forma como você gerencia o pré-natal, como também muda sua rotina de exercícios

atividade física na gestação gemelar - Foto: yanalya / Freepik

Sabe-se que durante a gravidez, a prática de atividade física é recomendada por gerar diversos benefícios para a mãe e para o bebê, mas será que a mesma recomendação é válida no caso de uma gravidez de gêmeos?

Segundo o obstetra Dr. Wagner Hernandez, especialista em gestação múltipla, em uma gravidez gemelar saudável a prática de atividade física é recomendada, mas sempre com cautela. A gestação gemelar sobrecarrega intensamente o organismo da mulher, tanto pelo peso, como pela maior demanda do sistema cardiovascular. Estar bem condicionada fisicamente, permite que a grávida de gêmeos consiga estar mais disposta, diminui a incidência de dores nas costas, ajuda no controle de peso, repercute em menores casos de incontinência urinária, além de diminuir a chance de desenvolver diabetes gestacional e pré-eclampsia. O obstetra ainda orienta que as atividades tenham baixo impacto, como os exercícios feitos na água, yoga, pilates e caminhada, o que reduz a sobrecarga articular.

Exercícios que envolvam ativação dos músculos abdominais e do assoalho pélvico (períneo) devem ser incentivados, porém é importante que sejam bem orientados por um profissional fisioterapeuta ou educador físico, que tenha conhecimento das alterações fisiológicas e biomecânicas sofridas durante a gestação. Quando realizado de forma incorreta, os exercícios podem trazer graves problemas, tanto para mãe quanto para os bebês. 

Para que a gestante não ameace sua saúde, o Dr. Wagner ressalta que os exercícios devem ser feitos com o consentimento e orientação do obstetra, que checará se não existem riscos adicionais. As complicações mais frequentes como o ganho de peso dos bebês abaixo do esperado, colo uterino curto, placenta baixa podem se agravar com a atividade física e nestes casos estarão contra-indicados a partir de seus diagnósticos. ”

Fonte do Site: http://www.guiadobebe.com.br/os-cuidados-da-atividade-fisica-na-gestacao-gemelar/

As posições para a gestante dormir

No geral, não há perigo em nenhuma posição. O importante é a gestante buscar a sua preferida e procurar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono

Normalmente, até o quinto mês de gestação, as mulheres não têm dificuldade em achar uma posição confortável para dormir. Com a barriga ainda pequena, até mesmo a posição de bruços é possível, sem nenhum risco de apertar o bebê ou causar desconforto.

O problema começa a aparecer depois do sexto mês de gestação, quando a barriga já está bem grandinha. Nessa fase, o mais indicado é dormir virada para o lado esquerdo, o lado do coração. Isso porque essa posição favorece a circulação sanguínea e, consequentemente, o sangue flui melhor pelo cordão umbilical, enviando mais oxigênio e nutrientes para o bebê.

Conforme a gravidez avança e o bebê cresce, a posição de barriga para cima pode ser muito desconfortável para a gestante. Com o peso do útero, a veia cava fica comprimida causando mal estar e falta de ar. Mas basta mudar de posição e esses sintomas desaparecem.

Resultado de imagem para posição para dormir na gravidez

Dormir virada para o lado direito pode dificultar um pouco a circulação do sangue deixando o bebê mais agitado, mas não oferece nenhum risco, além do desconforto momentâneo. Se a gestante acordar no meio da noite e perceber que está de bruços (de barriga para baixo), apesar do tamanho da barriga, também não há com que se preocupar, pois o bebê está bem protegido dentro do útero.

Uma posição para dormir no final da gravidez

O final da gestação é marcado pelas constantes azias, falta de ar e congestão nasal. Para aliviar esses sintomas e ter uma noite de sono com mais conforto, uma boa dica é dormir ligeiramente sentada, usando muitos travesseiros para elevar a cabeça. Os travesseiros também podem ser um bom aliado para evitar dores nas costas. A dica é colocar um no meio das pernas ao deitar de lado, o que deixa a coluna mais reta. Também vale colocar um no meio da barriga, outro para abraçar. Teste diversos tamanhos e formatos e veja o que melhor se encaixa no seu corpo.

O importante é a gestante buscar a sua posição preferida e tentar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/as-posicoes-para-a-gestante-dormir/

Acupuntura sem agulhas ajuda o bebê a se posicionar de forma correta no útero materno

Moxabustão ou apenas Moxa é uma técnica que utiliza apenas calor com os mesmos benefícios das agulhadas

O bebê costuma se posicionar de cabeça para baixo posição cefálica entre as 32ª e 34ª semanas da gestação. Porém, existem casos em que ele não se posiciona corretamente, mantendo-se sentado  posição pélvica, dificultando ou impossibilitando o parto normal, uma preocupação para a gestante e equipe médica. Nesse caso, o que fazer?

Durante muito tempo, se temeu fazer acupuntura em mulheres grávidas por conta das agulhas. Existia um tabu em relação à técnica, gerado pela falta de informação. Hoje a realidade é bem diferente, este tipo de terapia e seus efeitos positivos estão cada vez mais acessíveis ao público, com comprovação científica e clínica em todo o mundo.

Segundo Alessandra Sônego, fisioterapeuta e acupunturista especializada em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP, para ajudar o bebê a virar, a acupuntura dispõe de uma técnica chamada Moxabustão ou apenas Moxa, que segue os mesmos princípios das agulhas, mas não as utiliza.

“Essa técnica não faz uso de agulhas e, sim, de um bastão da erva Artemisia vulgaris, compactada, que é queimada e transfere o calor acima de um ponto específico de acupuntura. A combustão da Artemísia tem a propriedade de aquecer profundamente, estimulando, removendo e desobstruindo os bloqueios e restabelecendo o fluxo saudável, segura para a gestante e para o bebê. Com essa estimulação, ele é encaminhando para a posição cefálica e para um parto normal”, explica.

O tratamento visa resultados rápidos, se realizado de duas a três vezes por semana, em pontos específicos, localizados principalmente nos pés (B67), pernas e na região da cabeça, para potencializar o resultado.

Ainda, segundo a especialista, o bastão da Moxabustão pode ser encontrado facilmente na internet, e infelizmente se for usado de forma incorreta, a terapia pode ter efeitos negativos. “Por exemplo, o bebê pode se mover ainda que o esperado na região pélvica e se manter em uma posição inadequada para o parto normal. Por isso, procure sempre um profissional capacitado para a realização de qualquer técnica ou tratamento de saúde”, defende Alessandra.

Alessandra Sônego é fisioterapeuta e acupunturista da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Especialista em acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pela FACEI (2011).

Site: www.athalifisioterapia.com

Tamanho da barriga mês a mês da gestação

Tem dúvidas sobre o crescimento da barriga mês a mês? Esta matéria é para você gravidinha que não aguenta de ansiedade para ter um “barrigão”

A gravidez é um momento especial para toda mulher. Mesmo quando ela não é planejada, acontece algo mágico e a gente desperta para um mundo que nunca imaginou que conhecia.

Cada dia, cada semana, cada mês, traz consigo um sentimento diferente e uma sensação de que algo bom está por vir. A hora que o bebê nasce é a melhor hora da sua vida.

É impossível se lembrar de um outro amor tão grande quanto esse.

Acompanhe o tamanho da barriga mês a mês:

Primeiro mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana

Tamanho da barriga mês a mês- Mês 1.

Apesar dos sintomas como: atraso da menstruação, dores nos seios, no abdômen e instabilidade do humor, provavelmente você ainda não notará a gravidez. A verdade é que no primeiro mês quase ninguém sabe que está grávida.

Algumas mães tem a sorte de descobrir logo, mas isso é muito raro. A maioria só descobre lá para o segundo mês. Barriga? Não tem.

Segundo mês de gravidez

tamanho da barriga com 8 semanas

Tamanho da barriga com 2 meses.

Bom, é nessa época que a maioria das mamães descobre a gravidez. Porém, pode ser que algumas demorem um pouco mais. Talvez por causa de um ciclo menstrual mais irregular.

Outro sintoma do segundo mês é o sono constante, e junto com as náuseas, a vontade de fazer xixi aumentará, já que a partir deste mês sua bexiga ficará mais comprimida.

Barriga no segundo mês? Ainda não.

Terceiro mês de gravidez

tamanho da barriga com 3 meses

Tamanho da barriga com 3 meses de gravidez.

Os quilinhos a mais já começar a ser notado no terceiro mês de gravidez, também poderá ser observado que as veias do corpo, principalmente nas pernas, barriga e seios, ficarão evidentes. Os enjoos continuam frequentes e a mudança rápida de humor torna-se ainda mas frequente.

Aqui, a barriga começa a endurecer. Nada muito notável, mas a mamãe já começa a sentir modificações no corpo.

Quarto mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana de gestação

Tamanho da barriga com 20 semanas de gravidez.

No quarto mês é quando a barriguinha de grávida provavelmente será notada. Agora os enjoos quase não vão existir, e provavelmente o apetite da gestante aumentará junto com a sua disposição. Em alguns casos, a mulher pode começar a sentir os tímidos movimentos do bebê.

A pontinha da barriga começa a apontar. Já dá para perceber que você está grávida, se a pessoa for observadora. Em compensação, os distraídos podem não perceber ainda.

Quinto mês de gravidez

tamanho da barriga mes a mes de gravidez

Tamanho da barriga com 5 meses de gestação.

No quinto mês de gravidez o bebê não para de mexer, o útero ficará mais largo e poderão vistos mudanças nos cabelos e nas unhas. Geralmente, é neste período que a mulher pode ter sintomas da azia.

Agora não tem mais jeito. Não dá para esconder. A barriga já ganhou forma e está redondinha. Todo mundo já consegue perceber sua gravidez. Aproveite o paparico.

Sexto mês de gravidez

Tamanho da barriga na gravidez 6 meses

Tamanho da barriga de 6 meses de gravidez.

O tamanho e peso na barriga podem incomodar no sexto mês de gestação, essas mudanças poderão provocar  dores nas costas e as estrias nas pernas podem surgir.

A barriga já cresceu mais e está maior do que você poderia imaginar, mas não se iluda. Ela ainda vai crescer e muito.

Sétimo mês de gravidez

Tamanho da barriga 7 meses

Gravidez de 7 meses tamanho da barriga.

É no sétimo mês da gravidez que o corpo dará sinais para preparar o parto. As alterações hormonais estarão em evidência e o cansaço fica cada vez maior.

E o bebê se faz notar. Agora, além da barriga estar bem grande, o bebê se mexe e você consegue perceber os movimentos dele por meio da sua barriga. Ele mexe, sua barriga mexe.

Oitavo mês de gravidez

 Tamanho da barriga com 8 meses de gestacao

Tamanho da barriga aos 8 meses.

No oitavo mês de gravidez as contrações ficarão mais fortes e evidentes. Em algumas situações, a grávida poderá ter dificuldades de respiração, já que o bebê fica hospedado perto dos pulmões.

Parece que a barriga vai estourar? Calma! Ela ainda vai crescer mais um pouquinho. O bebê agora tem menos espaço e os solavancos vão fazer sua barriga se movimentar muito.

Nono mês de gravidez

Tamanho da barriga com 9 meses

Tamanho da barriga de 9 meses de gravidez.

Nos nove meses de gravidez, o bebê já está encaixado na posição do parto. As dores na lombar, na bacia e na púbis serão intensas e a barriga comprometerá ainda mais a bexiga, tornando inevitável as idas constantes ao banheiro. O leite começa e ser produzido, e por isso os seios da gestantes ficarão um pouco mais inchados.

Chegou a hora. A barriga está a ponto de estourar e agora é contar os dias para seu filho estar nos seus braços. Parabéns. Você chegou na reta final.

Crescimento da barriga mês a mês

O útero da mulher cresce pouco a pouco. Na vigésima semana ultrapassa a altura da linha média, indica-se usar o umbigo como parâmetro de medição.  É nessa fase que se começa a perceber o crescimento característica de gestante. Existem casos em que a grávida possa apresentar a barriga a partir das 12 a 15 semanas.

Fonte do Site: https://www.gestacaobebe.com.br/tamanho-da-barriga-mes-a-mes-da-gestacao/

12 Regras de etiqueta para visitar recém-nascido

Veja aqui 12 dicas e descubra o que você deve fazer e o que é preciso evitar antes e durante a visita ao recém nascido

Algumas regras de etiqueta para visitar recém-nascido ou no hospital podem te ajudar a não cometer gafes na visita. No entanto, é sempre aconselhável ter bom senso e se imaginar no lugar da mãe ou pai do bebê.

Quando um bebê nasce, todos que acompanharam a gestação ficam ansiosos para conhecer o bebê e visitar os pais.

Porém, não importa o quanto você for íntimo da família, a visita não pode ser feita de qualquer maneira. Aliás, se você for um parente ou amigo próximo, saberá mais do que ninguém o quanto este é um momento delicado para todos.

12 Regras de etiqueta para visitar recém-nascido

visita recem nascido 7 dias

Na maternidade:

Algumas famílias preferem receber as visitas ao bebê recém-nascido no hospital. Outras, preferem passar esses primeiros dias apenas com os mais íntimos. Para saber o que fazer ao certo, a melhor coisa é perguntar. Se o pai ou a mãe pedirem para que você espere mais algum tempo, não fique chateado. Respeite a decisão e espere por um momento mais adequado.

Ligue antes:

Visitas surpresas com um recém-nascido não são agradáveis. Ligue antes de aparecer e combine com a família o melhor horário.

Não leve crianças:

Não leve crianças para visitar o recém-nascido. Isso porque os pequenos podem fazer muito barulho ou quererem pegar o bebê (e beijá-lo), deixando os pais em desespero e você em uma situação constrangedora.

nao quero receber visitas na maternidade

Não vá se estiver doente:

Como o bebê acaba de nascer, ainda não tem o sistema imunológico completamente desenvolvido, nem tomou todas as vacinas. Por isso, ele fica suscetível à ação de vírus e bactérias. Só vá se estiver muito bem de saúde.

Não fume e não use perfumes:

O olfato do bebê é muito sensível. Sem falar na possibilidade dele ser alérgico. Assim, é recomendável não expor a criança a perfumes em geral. Também não fume antes ou durante a visita.

Reforce a higiene:

Muitas mães de recém-nascidos deixam disponível para as visitas um frasco de álcool gel. Não é frescura e muito menos exagero. Use o produto antes de pegar o bebê; ou, na falta dele, lave bem as mãos.

Seja breve:

Visitar um recém-nascido é sinal de que você se importa com ele e também com seus pais. É um sinal de carinho e amizade. Porém, para demonstrar isso, você não precisa ficar horas. Os pais podem estar querendo um pouco de privacidade para descansar, em vez de ficar fazendo sala e batendo papo. Se eles pedirem para você ficar mais tempo, use sua sensibilidade para perceber se é apenas por educação.

Não peça para a mãe acordar o bebê:

Sono de recém-nascido é sagrado! Por isso, se o bebê estiver dormindo, nem cogite a possibilidade de pedir aos pais que o acordem.

Arregace as mangas:

Se você tem dúvidas sobre o que levar quando for visitar um bebêsaiba que às vezes arregaçar as mangas pode ser o melhor presente. Se você tiver intimidade com a família, se ofereça para ajudar em alguma tarefa doméstica.

Lavar uma louça, passar a vassoura no chão, estender a roupa que está dentro da máquina ou até mesmo cozinhar algo gostoso para a família, fará toda a diferença neste momento tão especial e delicado.

Não dê conselhos ou palpites:

Pais não precisam de palpites, principalmente, nessas primeiras semanas, quando ainda estão se acostumando com a nova situação. Conselhos inconvenientes podem deixar os pais irritados, inseguros e tristes. Assim, evite ao máximo dar sua opinião, a menos que peçam.

Não tire fotos:

Sim, o bebê é lindo e fofo, e você vai ter muita vontade de tirar uma foto para postar nas suas redes sociais. Mas não faça isso! Só tire fotos e publique na internet se os pais deixarem.

Hora de amamentar é hora de ir embora:

Se perceber que o bebê está reclamando de fome, talvez seja a hora de ir embora. Algumas mulheres se sentem constrangidas e gostam de amamentar o bebê sozinhas, de maneira reservada. No começo, quando muitas ainda não têm prática, elas podem ficar inseguras e se atrapalharem ao oferecer os seios na frente de outras pessoas. Na dúvida, é melhor aproveitar para ir embora ou sair do local.

O uso da cinta no pós-parto é realmente efetivo?

Conheça exercícios para auxiliar o trabalho da musculatura abdominal e pélvica

Durante a gravidez, o foco das futuras mamães é garantir a saúde e o bem-estar do seu bebê, mas, cada vez mais, a preocupação com o seu corpo tem tomado significativa importância. Depois do nascimento do bebê, muitas mulheres sofrem com problemas de autoestima por conta das mudanças que ocorrem no corpo, principalmente na região abdominal, que após o parto, fica com aspecto flácido e inchado.

Na busca da solução desse problema, muitas mulheres acreditam que o uso da cinta é importante, pois irá colocar novamente a “musculatura no lugar”, ou seja, ajudar a recuperar a forma. Mas será que é assim que funciona? Ou melhor, será que funciona?

É inegável que o uso da cinta traz alguns benefícios imediatos, como melhorar e uniformizar a silhueta (apenas enquanto está com a cinta), o que melhora o caimento das roupas e aumenta a autoestima. A cinta também costuma dar uma sensação de conforto e segurança para as mulheres no pós-parto e reduzir a ocorrência de hematomas no local da cirurgia (em caso de cesárea). Porém, é importante salientar que não é a cinta que reduzirá medidas ou tonificará a musculatura distendida na gravidez.

A cinta não estimulará os músculos do abdômen, pelo contrário, vai desestimular o uso. Ela faz o papel que os músculos dessa região fariam, e o cérebro é muito esperto quando se tem algo fazendo o serviço por ele. Dessa forma o cérebro vai poupar energia e parar de enviar comandos para esse trabalho. O grande problema é que os músculos dessa região não possuem apenas a função estética. Vai bem mais além, são grandes responsáveis por estabilizar a região central do nosso corpo e a falha da ativação dessa região está associada com a dor lombar, que também está ligada com a incontinência urinária. 

Exercícios fisioterapêuticos para o pós-parto - Foto: nikitabuida / Freepik

Bom, então se a cinta não fará a musculatura “voltar para o lugar” e nem te ajudará a reduzir medidas, o que fazer? Ativar os músculos! Como? Por meio de exercícios! E não se preocupe, você não precisará ir à academia para isto. Alguns exercícios simples podem ser feitos rapidamente em casa para ativar esta região. 

Vamos te informar alguns, mas antes disso, se você ainda não se convenceu de que ativar a musculatura é melhor do que usar a cinta e ainda pensa em usá-la, saiba que o seu uso sempre deve ser discutido com o médico, pois não são todas as mulheres que podem usá-la. Segundo o Dr. Gustavo Ventura, obstetra, mulheres que fizeram cesárea e apresentam inflamação e/ou sangramento excessivo no local do corte, além de mulheres com distensão abdominal por gases (o que é muito comum no pós-parto), devem evitar o uso da cinta. Isso porque ela, por apertar muito, dificulta a eliminação de gases, atrapalhando a circulação e, em caso de cesárea, abafa o corte, o que dificulta o processo de cicatrização, podendo até aumentar o risco de infecção e abertura dos pontos.

Exercícios:

1- Respiração: Ajuda na ativação da musculatura do abdômen: Deitada de barriga para cima e pernas dobradas, você irá puxar o ar pelo nariz, e soltar pela boca como se estivesse apagando uma vela, sentindo as costelas descerem e fecharem e a barriga ir ficando “durinha” até o fim da expiração.

Na sequência, mantenha a mesma postura, puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar (abaixando as costelas e ativando o abdome), você irá contrair o períneo (como se quisesse segurar a urina). Sim, na vagina existem músculos e precisamos trabalhar essa musculatura também.

Você usará essa respiração em todos os exercícios seguintes.

2- Ponte: deitada, de barriga para cima, apoie os pés no chão, mantendo os joelhos dobrados e o ombro e pescoço apoiados no chão durante este exercício. 

Puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar pela boca e ativando o abdômen, você irá levantar o quadril do chão até altura dos joelhos, contraindo junto o períneo. 

Manter essa posição por cinco segundos e voltar lentamente até apoiar novamente o quadril no chão.

Realizar 2×10 repetições.

3- Posição de Gato: fique na posição de gato (mãos e joelhos apoiados no chão), puxe o ar pelo nariz, olhando para frente e empinando o bumbum. Solte o ar ativando o abdome, e contraia o períneo, fazendo um arco com as costas, guardando o bumbum.

Realizar 2×10 repetições.

4- Estabilizadores de trono: sentada na cadeira, com os pés apoiados no chão e as costas bem apoiadas na cadeira, puxe o ar pelo nariz e cresça sua coluna como se você estivesse tentando ficar maior. Solte o ar pela boca e continue crescendo a coluna. Ao mesmo tempo contraia o períneo, mantendo o apoio das costas e pés colados no chão.

Realizar 2×10 repetições.

5- Estabilizadores de trono: em pé, com as pernas semiflexionadas e afastadas na largura do quadril, coloque as mãos nos joelhos e olhe para frente. Mantenha a postura e puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar, contraia o períneo. Preste atenção na postura.

Realizar 2×10 repetições.

Está provado que o uso da cinta pós-parto deve ser moderado e consciente, nunca utiliza como única garantia para obter um abdome sarado após a gravidez, ao contrário do que as pessoas pensam, quanto mais tempo usarem a cinta, mais tempo demoram a recuperar a forma do corpo pré-gravídico.

Alessandra Sônego é fisioterapeuta especializada em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP, atuante na clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, na reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Especialista em acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pela FACEI (2011).

Dr. Gustavo Ventura é médico ginecologista e obstetra com Subespecialidade em Mastologia, especialista em Ginecologia e Obstetricia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e membro da Sociedade Brasileira de Mastologia.

Juliana Thomé é fisioterapeuta especialista em Reeducação Funcional da Postura e do Movimento pelo HC-FMUSP, Mestranda em Neurociências e Comportamento pela Universidade de São Paulo e colaboradora da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional e criadora do Postura e Movimento.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/o-uso-da-cinta-no-pos-parto-e-realmente-efetivo/