Mochila pesada pode provocar dores nas crianças

É preciso ficar atento sobre o volume e peso dos itens no dia a dia das crianças para evitar problemas de coluna e dores musculares

Escoliose, hiperlordose, hipercifose, dores musculares e nas articulações, no pescoço e nos ombros são alguns dos problemas mais comuns observados em crianças que carregam muito peso nas mochilas escolares.

Itens como cadernos, canetinhas, lápis de cor, agendas e dicionários são indispensáveis para o uso na educação tanto na escola como em casa e, de acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBTO), o peso ideal das mochilas não pode ultrapassar 10% do peso corporal da criança. Por exemplo, se a criança tem 30 quilos, a mochila deve no máximo pesar cerca de três quilos, exceder este volume pode sobrecarregar a coluna, promover má postura, dores musculares, problemas de locomoção e ou até prejudicar a formação óssea do estudante ao longo dos anos.

mochila pesada pode causas problema nas crianças - Foto: pressfoto / Freepik

Estima-se que cerca de 80% dos estudantes em fase escolar (ensino fundamental e médio) já sentem dores nas costas e ou musculares por variados motivos como, por exemplo, erro postural ao sentar e se manter durante o período de aula e, principalmente, a sobrecarga de peso com materiais escolares, assessórios e itens que podem ser deixados em casa e ou na escola. Lembre-se que o mais importante é avaliar o que, de fato, é essencial para a rotina das crianças e, a partir disso, garantir a saúde delas. Para isso, listei algumas dicas abaixo sobre como não errar na escolha da mochila e algumas alternativas que podem ser adotadas para minimizar problemas futuros.

Uso adequado de mochila

Dicas:

– Hoje existem inúmeros tamanhos, modelos e tipos de mochilas à venda no mercado em geral e a escolha pelo modelo é um desafio e tanto para os pais. Quando a criança já tem idade para decidir, às vezes, deixamos de lado o quesito segurança e optamos pela beleza do item que elas tanto desejam.

– Faixa etária da criança – para cada idade existe um tipo de produto indicado para o seu uso. Crianças na pré-escola e até o ensino fundamental I, por exemplo, podem utilizar mochilas com rodinhas para facilitar a locomoção e poupar as costas dos pequenos e pequenas.

– Origem da mochila – algumas são fabricadas em escala de produção em massa e não passam por órgãos de qualificação que atestem sua segurança (risco de toxidade da tinta, perigo de machucar as crianças com rodinhas, zíper e outros itens de baixa qualidade, por exemplo). Lembre-se: o barato sai caro. Compre em locais que você saiba a procedência e possa sentir segurança.

– Evite o sobrepeso das mochilas com itens desnecessários e ou duplique os materiais que são de uso recorrente em casa como, dicionários, canetinhas, lápis de cor e réguas. Veja com a direção da escola se existe a possibilidade de guardar alguns itens em armários para evitar a ida e vinda de materiais que você tenha em casa.

– Para mochilas de alças, procure por produtos que ofereçam resistência e conforto para os ombros como as acolchoadas, reguláveis e com largura mínima de quatro centímetros, pois as de tiras mais estreitas provocam compressão nos ombros e podem causar dor e restringir a circulação na região.

– Oriente a criança e o jovem para usar a mochila com as duas alças adaptadas no ombro e a mochila no centro das costas, dividindo o peso por igual para manter o centro de gravidade da coluna e diminuir o risco de lesões musculares.

 – Organize os materiais mais pesados no fundo da mochila e certifique-se que os cadernos e livros estão alinhados para evitar “desequilíbrio” e promover escoliose (alteração postural).

– Quando a criança apresentar algum incomodo e ou dor muscular, fique atento e certifique-se de levá-la ao médico pediatra ou especialista para saber a origem do desconforto.

Uso adequado de mochila

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/mochila-pesada-pode-provocar-dores-nas-criancas/

Anúncios

As posições para a gestante dormir

No geral, não há perigo em nenhuma posição. O importante é a gestante buscar a sua preferida e procurar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono

Normalmente, até o quinto mês de gestação, as mulheres não têm dificuldade em achar uma posição confortável para dormir. Com a barriga ainda pequena, até mesmo a posição de bruços é possível, sem nenhum risco de apertar o bebê ou causar desconforto.

O problema começa a aparecer depois do sexto mês de gestação, quando a barriga já está bem grandinha. Nessa fase, o mais indicado é dormir virada para o lado esquerdo, o lado do coração. Isso porque essa posição favorece a circulação sanguínea e, consequentemente, o sangue flui melhor pelo cordão umbilical, enviando mais oxigênio e nutrientes para o bebê.

Conforme a gravidez avança e o bebê cresce, a posição de barriga para cima pode ser muito desconfortável para a gestante. Com o peso do útero, a veia cava fica comprimida causando mal estar e falta de ar. Mas basta mudar de posição e esses sintomas desaparecem.

Resultado de imagem para posição para dormir na gravidez

Dormir virada para o lado direito pode dificultar um pouco a circulação do sangue deixando o bebê mais agitado, mas não oferece nenhum risco, além do desconforto momentâneo. Se a gestante acordar no meio da noite e perceber que está de bruços (de barriga para baixo), apesar do tamanho da barriga, também não há com que se preocupar, pois o bebê está bem protegido dentro do útero.

Uma posição para dormir no final da gravidez

O final da gestação é marcado pelas constantes azias, falta de ar e congestão nasal. Para aliviar esses sintomas e ter uma noite de sono com mais conforto, uma boa dica é dormir ligeiramente sentada, usando muitos travesseiros para elevar a cabeça. Os travesseiros também podem ser um bom aliado para evitar dores nas costas. A dica é colocar um no meio das pernas ao deitar de lado, o que deixa a coluna mais reta. Também vale colocar um no meio da barriga, outro para abraçar. Teste diversos tamanhos e formatos e veja o que melhor se encaixa no seu corpo.

O importante é a gestante buscar a sua posição preferida e tentar, apesar do desconforto natural do final da gestação, ter uma boa noite de sono.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/as-posicoes-para-a-gestante-dormir/

Acupuntura sem agulhas ajuda o bebê a se posicionar de forma correta no útero materno

Moxabustão ou apenas Moxa é uma técnica que utiliza apenas calor com os mesmos benefícios das agulhadas

O bebê costuma se posicionar de cabeça para baixo posição cefálica entre as 32ª e 34ª semanas da gestação. Porém, existem casos em que ele não se posiciona corretamente, mantendo-se sentado  posição pélvica, dificultando ou impossibilitando o parto normal, uma preocupação para a gestante e equipe médica. Nesse caso, o que fazer?

Durante muito tempo, se temeu fazer acupuntura em mulheres grávidas por conta das agulhas. Existia um tabu em relação à técnica, gerado pela falta de informação. Hoje a realidade é bem diferente, este tipo de terapia e seus efeitos positivos estão cada vez mais acessíveis ao público, com comprovação científica e clínica em todo o mundo.

Segundo Alessandra Sônego, fisioterapeuta e acupunturista especializada em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP, para ajudar o bebê a virar, a acupuntura dispõe de uma técnica chamada Moxabustão ou apenas Moxa, que segue os mesmos princípios das agulhas, mas não as utiliza.

“Essa técnica não faz uso de agulhas e, sim, de um bastão da erva Artemisia vulgaris, compactada, que é queimada e transfere o calor acima de um ponto específico de acupuntura. A combustão da Artemísia tem a propriedade de aquecer profundamente, estimulando, removendo e desobstruindo os bloqueios e restabelecendo o fluxo saudável, segura para a gestante e para o bebê. Com essa estimulação, ele é encaminhando para a posição cefálica e para um parto normal”, explica.

O tratamento visa resultados rápidos, se realizado de duas a três vezes por semana, em pontos específicos, localizados principalmente nos pés (B67), pernas e na região da cabeça, para potencializar o resultado.

Ainda, segundo a especialista, o bastão da Moxabustão pode ser encontrado facilmente na internet, e infelizmente se for usado de forma incorreta, a terapia pode ter efeitos negativos. “Por exemplo, o bebê pode se mover ainda que o esperado na região pélvica e se manter em uma posição inadequada para o parto normal. Por isso, procure sempre um profissional capacitado para a realização de qualquer técnica ou tratamento de saúde”, defende Alessandra.

Alessandra Sônego é fisioterapeuta e acupunturista da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Especialista em acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pela FACEI (2011).

Site: www.athalifisioterapia.com

Som do útero materno para acalmar o bebê

Entenda como o som do útero materno pode contribuir com o sono do recém-nascido

Sabia que o som do útero materno pode ajudar o bebê a dormir? A alegria que o nascimento de um bebê traz para a família é imensurável, mas os primeiros dias do recém-nascido em casa também são para que os pais se adaptem a nova vida, conheçam o bebê e aprendam a integrar as necessidades do filho à rotina da casa.

Além da amamentação e troca de fraldas, uma das questões que mais preocupam os pais é com relação ao sono do bebê. É importante lembrar que, para o recém-nascido, o ambiente externo é um habitat totalmente novo, no qual ele ainda se adaptando e conhecendo aos poucos; por isso, é comum que os bebês sintam dificuldades para adormecer, além de outros fatores que também influenciam essa dificuldade, como as cólicas.

O ideal é fazer com que o bebê fique o mais calmo e relaxado possível e, para isso, os pais geralmente tentam a todo custo manter o silencio na casa, para criar um ambiente acolhedor.

som utero materno

Acontece que o bebê, durante toda a sua gestação, se desenvolveu em meio ao som do útero, ou seja, o silêncio para ele também é uma novidade. (Healthline)

Som do útero usado para acalmar o bebê

O corpo da gestante está em constante movimento, e os sons das batidas do coração da mãe, do fluxo sanguíneo e do estômago chegam ao útero, o que faz com que o bebê se acostume a ficar nesse meio e, mais importante que isso, sinta-se protegido e tranquilo junto de sua mãe.

Esses sons produzidos pelo corpo são chamados de white noise (barulho branco). Por isso, muitos pais têm utilizado aplicativos e aparelhos que reproduzem o som do útero, barulho que se assemelha ao som de um aspirador de pó ou liquidificador, porém mais baixo e constante.

Ao ouvir esse som, o bebê se recorda do útero da mãe e, muitas vezes, se acalma e adormece. 

Aparelho que reproduz som do útero

É possível encontrar para compra aparelhos que reproduzem o som do útero materno, como se fossem rádios para bebês. Além desses, algumas empresas já integram o som a outros produtos para bebês, como cadeiras, ninhos e até bonecas e bichinhos de pelúcia, que podem ficar com a criança dentro do berço.  Além desses aparelhos exclusivos, são facilmente encontrados na internet aplicativos e vídeos que reproduzem o som, muitos gratuitos, para que sejam baixados em celulares, tablets e computadores.

Som do útero da mãe pode fazer mal?

Apesar da criança estar habituada aos sons do útero, é importante que os pais não coloquem os aparelhos muito próximos a criança e nem deixem o volume alto, pois, nesse caso, o som pode ser prejudicial para a audição do bebê, o que pode se tornar um problema irreversível no futuro. Esse recurso deve ser utilizado pontualmente, na hora de dormir ou quando o bebê estiver chorando ou agitado, mas desligado após ele se acalmar e adormecer.

Som do útero materno- vídeos

Existem uma série de vídeos onde pode ser encontrada a simulação do som do útero materno, alguns para baixar, outros que podem ser reproduzidos online. 

Fonte do Site: https://www.gestacaobebe.com.br/som-do-utero-materno/

Tamanho da barriga mês a mês da gestação

Tem dúvidas sobre o crescimento da barriga mês a mês? Esta matéria é para você gravidinha que não aguenta de ansiedade para ter um “barrigão”

A gravidez é um momento especial para toda mulher. Mesmo quando ela não é planejada, acontece algo mágico e a gente desperta para um mundo que nunca imaginou que conhecia.

Cada dia, cada semana, cada mês, traz consigo um sentimento diferente e uma sensação de que algo bom está por vir. A hora que o bebê nasce é a melhor hora da sua vida.

É impossível se lembrar de um outro amor tão grande quanto esse.

Acompanhe o tamanho da barriga mês a mês:

Primeiro mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana

Tamanho da barriga mês a mês- Mês 1.

Apesar dos sintomas como: atraso da menstruação, dores nos seios, no abdômen e instabilidade do humor, provavelmente você ainda não notará a gravidez. A verdade é que no primeiro mês quase ninguém sabe que está grávida.

Algumas mães tem a sorte de descobrir logo, mas isso é muito raro. A maioria só descobre lá para o segundo mês. Barriga? Não tem.

Segundo mês de gravidez

tamanho da barriga com 8 semanas

Tamanho da barriga com 2 meses.

Bom, é nessa época que a maioria das mamães descobre a gravidez. Porém, pode ser que algumas demorem um pouco mais. Talvez por causa de um ciclo menstrual mais irregular.

Outro sintoma do segundo mês é o sono constante, e junto com as náuseas, a vontade de fazer xixi aumentará, já que a partir deste mês sua bexiga ficará mais comprimida.

Barriga no segundo mês? Ainda não.

Terceiro mês de gravidez

tamanho da barriga com 3 meses

Tamanho da barriga com 3 meses de gravidez.

Os quilinhos a mais já começar a ser notado no terceiro mês de gravidez, também poderá ser observado que as veias do corpo, principalmente nas pernas, barriga e seios, ficarão evidentes. Os enjoos continuam frequentes e a mudança rápida de humor torna-se ainda mas frequente.

Aqui, a barriga começa a endurecer. Nada muito notável, mas a mamãe já começa a sentir modificações no corpo.

Quarto mês de gravidez

tamanho da barriga semana a semana de gestação

Tamanho da barriga com 20 semanas de gravidez.

No quarto mês é quando a barriguinha de grávida provavelmente será notada. Agora os enjoos quase não vão existir, e provavelmente o apetite da gestante aumentará junto com a sua disposição. Em alguns casos, a mulher pode começar a sentir os tímidos movimentos do bebê.

A pontinha da barriga começa a apontar. Já dá para perceber que você está grávida, se a pessoa for observadora. Em compensação, os distraídos podem não perceber ainda.

Quinto mês de gravidez

tamanho da barriga mes a mes de gravidez

Tamanho da barriga com 5 meses de gestação.

No quinto mês de gravidez o bebê não para de mexer, o útero ficará mais largo e poderão vistos mudanças nos cabelos e nas unhas. Geralmente, é neste período que a mulher pode ter sintomas da azia.

Agora não tem mais jeito. Não dá para esconder. A barriga já ganhou forma e está redondinha. Todo mundo já consegue perceber sua gravidez. Aproveite o paparico.

Sexto mês de gravidez

Tamanho da barriga na gravidez 6 meses

Tamanho da barriga de 6 meses de gravidez.

O tamanho e peso na barriga podem incomodar no sexto mês de gestação, essas mudanças poderão provocar  dores nas costas e as estrias nas pernas podem surgir.

A barriga já cresceu mais e está maior do que você poderia imaginar, mas não se iluda. Ela ainda vai crescer e muito.

Sétimo mês de gravidez

Tamanho da barriga 7 meses

Gravidez de 7 meses tamanho da barriga.

É no sétimo mês da gravidez que o corpo dará sinais para preparar o parto. As alterações hormonais estarão em evidência e o cansaço fica cada vez maior.

E o bebê se faz notar. Agora, além da barriga estar bem grande, o bebê se mexe e você consegue perceber os movimentos dele por meio da sua barriga. Ele mexe, sua barriga mexe.

Oitavo mês de gravidez

 Tamanho da barriga com 8 meses de gestacao

Tamanho da barriga aos 8 meses.

No oitavo mês de gravidez as contrações ficarão mais fortes e evidentes. Em algumas situações, a grávida poderá ter dificuldades de respiração, já que o bebê fica hospedado perto dos pulmões.

Parece que a barriga vai estourar? Calma! Ela ainda vai crescer mais um pouquinho. O bebê agora tem menos espaço e os solavancos vão fazer sua barriga se movimentar muito.

Nono mês de gravidez

Tamanho da barriga com 9 meses

Tamanho da barriga de 9 meses de gravidez.

Nos nove meses de gravidez, o bebê já está encaixado na posição do parto. As dores na lombar, na bacia e na púbis serão intensas e a barriga comprometerá ainda mais a bexiga, tornando inevitável as idas constantes ao banheiro. O leite começa e ser produzido, e por isso os seios da gestantes ficarão um pouco mais inchados.

Chegou a hora. A barriga está a ponto de estourar e agora é contar os dias para seu filho estar nos seus braços. Parabéns. Você chegou na reta final.

Crescimento da barriga mês a mês

O útero da mulher cresce pouco a pouco. Na vigésima semana ultrapassa a altura da linha média, indica-se usar o umbigo como parâmetro de medição.  É nessa fase que se começa a perceber o crescimento característica de gestante. Existem casos em que a grávida possa apresentar a barriga a partir das 12 a 15 semanas.

Fonte do Site: https://www.gestacaobebe.com.br/tamanho-da-barriga-mes-a-mes-da-gestacao/

Truques para cuidar da pele do bebê no Verão

Especialistas dão dicas para curtir a estação mais quente do ano com seu bebê sem preocupação

A temporada mais quente do ano está chegando. Nesse período, os pais devem redobrar a atenção com a pele dos pequenos.  “Durante os três primeiros anos de vida, a pele da criança é de 20 a 30% mais fina que as dos adultos, por isso costuma ser mais ressecada, além de ser mais sensível ao calor e a luz do sol, precisando ser constantemente protegida”, comentam as enfermeiras da Criogênesis, Natalia Modica e Luciana Santos. 

Para evitar desconfortos e aproveitar todo o verão sem preocupações, as especialistas separaram algumas dicas. Confira:

Verifique a temperatura e os produtos do banho

É indicado que a água do banho seja morna, e não quente. Além disso, a duração deve ser no máximo 10 minutos. Esses dois fatores já diminuem a perda de água da pele. Outro ponto importante é usar produtos que tenham o pH ligeiramente ácido, assim como é a pele do bebê, garantindo uma limpeza suave e sem ressecamento. Será melhor se o sabonete usado for líquido em vez de barra, pois ele é mais suave e fácil de aplicar.

Atente-se ao protetor solar 

As mães devem evitar a exposição solar direta dos bebês de até seis meses. Para protegê-los, aposte em roupas leves que cubram todo o corpo, chapéus e carrinhos de bebê com tecido que filtre raios UVA e UVB. O filtro solar pode ser utilizado a partir do sexto mês, devendo ser do tipo baby ou mineral.

Controle o suor

A miliária, mais conhecido como brotoeja, é uma erupção cutânea ocasionada pelo suor abundante, que por não chegar a superfície da pele, desencadeia uma inflamação das glândulas sudoríparas causando irritação frequente e coceira. Para tratar, o melhor a fazer é aliviar o desconforto do bebê, principalmente ao refrescar e secar a área afetada, com banhos e roupas frescas. Em caso de dúvidas, procure o pediatra.

Hidrate a pele

A utilização de cremes, loções ou pomadas emolientes, específicas e adequadas à pele frágil e imatura do bebê devem fazer parte dos cuidados e dos hábitos de higiene. Além de proteger a pele contra as agressões externas, esses produtos ajudam a mantê-la saudável e hidratada.

cuidar da pele do bebê no Verão - Foto: hisins30 / pixabay.com

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/truques-para-cuidar-da-pele-do-bebe-no-verao/

Tem problema usar talco na pele do bebê?

Resultado de imagem para talco do bebe

Fonte da Imagem: http://www.esperandobebe.com.br

Apesar do cheirinho gostoso, os médicos não recomendam que se use talco em bebês, porque, por ser formado por partículas minúsculas, ele pode facilmente ser inalado e aspirado pela criança, ficando preso nas vias respiratórias e nos pulmões e provocando dificuldades para respirar. O mesmo vale para polvilho.

Além disso, não há comprovação nenhuma de que talco ajude a prevenir ou melhorar assaduras ou outros problemas de pele, como brotoejas.

No caso das assaduras, o melhor é, a cada troca, limpar bem o bumbum do bebê e secar com uma fralda de pano ou outro tecido bem macio, para não irritar ainda mais o local. Depois de bem seco, aplique uma fina camada de creme antiassadura. 

Se quiser usar alguma coisa para dar uma “secada” a mais na pele do seu filho, prefira maisena ou outros produtos à base de amido de milho, já que eles são compostos por partículas maiores. Ainda assim, todo o cuidado é necessário para não passar nem pulverizar nada próximo ao rosto do bebê. Ponha uma pequena quantidade na sua mão primeiro.

Preste atenção também para deixar o produto longe do alcance da criança. Quando for utilizar, tenha cautela no momento de virar a embalagem e evitar que se crie aquela “nuvem” de pó perto de vocês.

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/x25008283/tem-problema-usar-talco-na-pele-do-beb%C3%AA

O uso da cinta no pós-parto é realmente efetivo?

Conheça exercícios para auxiliar o trabalho da musculatura abdominal e pélvica

Durante a gravidez, o foco das futuras mamães é garantir a saúde e o bem-estar do seu bebê, mas, cada vez mais, a preocupação com o seu corpo tem tomado significativa importância. Depois do nascimento do bebê, muitas mulheres sofrem com problemas de autoestima por conta das mudanças que ocorrem no corpo, principalmente na região abdominal, que após o parto, fica com aspecto flácido e inchado.

Na busca da solução desse problema, muitas mulheres acreditam que o uso da cinta é importante, pois irá colocar novamente a “musculatura no lugar”, ou seja, ajudar a recuperar a forma. Mas será que é assim que funciona? Ou melhor, será que funciona?

É inegável que o uso da cinta traz alguns benefícios imediatos, como melhorar e uniformizar a silhueta (apenas enquanto está com a cinta), o que melhora o caimento das roupas e aumenta a autoestima. A cinta também costuma dar uma sensação de conforto e segurança para as mulheres no pós-parto e reduzir a ocorrência de hematomas no local da cirurgia (em caso de cesárea). Porém, é importante salientar que não é a cinta que reduzirá medidas ou tonificará a musculatura distendida na gravidez.

A cinta não estimulará os músculos do abdômen, pelo contrário, vai desestimular o uso. Ela faz o papel que os músculos dessa região fariam, e o cérebro é muito esperto quando se tem algo fazendo o serviço por ele. Dessa forma o cérebro vai poupar energia e parar de enviar comandos para esse trabalho. O grande problema é que os músculos dessa região não possuem apenas a função estética. Vai bem mais além, são grandes responsáveis por estabilizar a região central do nosso corpo e a falha da ativação dessa região está associada com a dor lombar, que também está ligada com a incontinência urinária. 

Exercícios fisioterapêuticos para o pós-parto - Foto: nikitabuida / Freepik

Bom, então se a cinta não fará a musculatura “voltar para o lugar” e nem te ajudará a reduzir medidas, o que fazer? Ativar os músculos! Como? Por meio de exercícios! E não se preocupe, você não precisará ir à academia para isto. Alguns exercícios simples podem ser feitos rapidamente em casa para ativar esta região. 

Vamos te informar alguns, mas antes disso, se você ainda não se convenceu de que ativar a musculatura é melhor do que usar a cinta e ainda pensa em usá-la, saiba que o seu uso sempre deve ser discutido com o médico, pois não são todas as mulheres que podem usá-la. Segundo o Dr. Gustavo Ventura, obstetra, mulheres que fizeram cesárea e apresentam inflamação e/ou sangramento excessivo no local do corte, além de mulheres com distensão abdominal por gases (o que é muito comum no pós-parto), devem evitar o uso da cinta. Isso porque ela, por apertar muito, dificulta a eliminação de gases, atrapalhando a circulação e, em caso de cesárea, abafa o corte, o que dificulta o processo de cicatrização, podendo até aumentar o risco de infecção e abertura dos pontos.

Exercícios:

1- Respiração: Ajuda na ativação da musculatura do abdômen: Deitada de barriga para cima e pernas dobradas, você irá puxar o ar pelo nariz, e soltar pela boca como se estivesse apagando uma vela, sentindo as costelas descerem e fecharem e a barriga ir ficando “durinha” até o fim da expiração.

Na sequência, mantenha a mesma postura, puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar (abaixando as costelas e ativando o abdome), você irá contrair o períneo (como se quisesse segurar a urina). Sim, na vagina existem músculos e precisamos trabalhar essa musculatura também.

Você usará essa respiração em todos os exercícios seguintes.

2- Ponte: deitada, de barriga para cima, apoie os pés no chão, mantendo os joelhos dobrados e o ombro e pescoço apoiados no chão durante este exercício. 

Puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar pela boca e ativando o abdômen, você irá levantar o quadril do chão até altura dos joelhos, contraindo junto o períneo. 

Manter essa posição por cinco segundos e voltar lentamente até apoiar novamente o quadril no chão.

Realizar 2×10 repetições.

3- Posição de Gato: fique na posição de gato (mãos e joelhos apoiados no chão), puxe o ar pelo nariz, olhando para frente e empinando o bumbum. Solte o ar ativando o abdome, e contraia o períneo, fazendo um arco com as costas, guardando o bumbum.

Realizar 2×10 repetições.

4- Estabilizadores de trono: sentada na cadeira, com os pés apoiados no chão e as costas bem apoiadas na cadeira, puxe o ar pelo nariz e cresça sua coluna como se você estivesse tentando ficar maior. Solte o ar pela boca e continue crescendo a coluna. Ao mesmo tempo contraia o períneo, mantendo o apoio das costas e pés colados no chão.

Realizar 2×10 repetições.

5- Estabilizadores de trono: em pé, com as pernas semiflexionadas e afastadas na largura do quadril, coloque as mãos nos joelhos e olhe para frente. Mantenha a postura e puxe o ar pelo nariz, e enquanto solta o ar, contraia o períneo. Preste atenção na postura.

Realizar 2×10 repetições.

Está provado que o uso da cinta pós-parto deve ser moderado e consciente, nunca utiliza como única garantia para obter um abdome sarado após a gravidez, ao contrário do que as pessoas pensam, quanto mais tempo usarem a cinta, mais tempo demoram a recuperar a forma do corpo pré-gravídico.

Alessandra Sônego é fisioterapeuta especializada em Saúde da Mulher pelo HC-FMUSP, atuante na clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, na reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Especialista em acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pela FACEI (2011).

Dr. Gustavo Ventura é médico ginecologista e obstetra com Subespecialidade em Mastologia, especialista em Ginecologia e Obstetricia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e membro da Sociedade Brasileira de Mastologia.

Juliana Thomé é fisioterapeuta especialista em Reeducação Funcional da Postura e do Movimento pelo HC-FMUSP, Mestranda em Neurociências e Comportamento pela Universidade de São Paulo e colaboradora da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional e criadora do Postura e Movimento.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/o-uso-da-cinta-no-pos-parto-e-realmente-efetivo/

Maquiagem na hora do parto: polêmica ou necessária?

Conheça três dicas para as mães que desejam usar maquiagem no parto

Na era digital, ninguém quer perder nenhum registro dos filhos, inclusive o nascimento, certo? Por isso, a fotografia de parto se tornou uma tendência. Mas um detalhe vem chamando a atenção de quem acompanha esse tipo de ensaio: a maquiagem.

Há quem acredite que a sessão de fotos criou a necessidade do uso de make durante o parto. A fotógrafa Thalita Castanha não concorda. “O que mudou é que, agora, o acesso às fotos do parto é mais amplo e acontece bem mais rapidamente, o que dá a impressão de que mamães arrumadas no hospital é uma moda. Mas não, sempre foi assim”, defende a profissional.

O uso da maquiagem fica a critério da mãe, esclarece Thalita. O mais importante é que ela esteja confortável para o nascimento. “A mãe quer se sentir bonita para receber seu filho e não só para sair bem na foto”, conta.

maquiagem no parto - Foto: Thalita Castanha

Há mais de cinco anos no mercado de fotografia, Thalita é referência em fotografia de parto, newborne ensaio de gestante, chegando a atender até 60 famílias por mês. Para as mães que desejam usar maquiagem no parto, a expert dá dicas:  

  • Quanto mais à vontade você estiver, melhor! As fotos refletem o estado de espírito dos personagens.
  • Prefira os cosméticos que você está acostumada a usar no dia a dia para evitar alergias.
  • Por recomendações médicas, prefira unha curta e use esmalte claro.

Recentemente, Thalita clicou o nascimento dos filhos de Thais Fersoza, Deborah Secco, Juliana Alves e Eliana.

Fonte do Site: http://guiadobebe.uol.com.br/maquiagem-na-hora-do-parto-polemica-ou-necessaria/

É verdade que meninos sofrem mais de cólica que meninas?

bebê chorando

Ao que parece, a cólica, que inferniza tanto os bebês de até 3 meses, atinge da mesma maneira meninos e meninas. Também não há diferença entre outros fatores, como se primeiro ou segundo filho, ou ser bebê que mama no peito ou que toma mamadeira de fórmula. 

Ninguém sabe por que alguns bebês têm mais cólica que outros, embora haja muitas teorias. 

Um fator de risco, no entanto, foi comprovado: se a mulher fuma durante a gravidez, a probabilidade de o bebê sofrer com cólica é maior. Se seu bebê ainda não nasceu e você fuma, a perspectiva de lidar com o choro permanente do bebê pode ser um bom incentivo para largar o cigarro. 

Fonte do Site: https://brasil.babycenter.com/x5400055/%C3%A9-verdade-que-meninos-sofrem-mais-de-c%C3%B3lica-que-meninas